Duas empresas chinesas construirão 1.000 escolas no Iraque

·1 min de leitura

O Iraque assinou acordos com duas empresas chinesas para construir 1.000 escolas no país no prazo de dois anos, segundo informou neste domingo (19) um funcionário do governo iraquiano.

O país precisa de um total de 8.000 escolas "para preencher o vazio no setor da educação", disse Hassan Mejaham, funcionário do Ministério da Moradia, citado pela Agência Oficial de Notícias do Iraque.

Os acordos foram assinados na última quinta-feira na presença do primeiro-ministro Mustafa al-Kadhemi, com a Power China, para construir 679 escolas. A empresa Sinotech construirá as 321 restantes.

Está previsto que a construção das escolas termine em dois anos, e que a primeira seja entregue um ano depois do início das obras, "muito em breve", disse Mejaham, acrescentando que o Iraque pagaria o projeto com produtos derivados do petróleo.

Décadas de conflito e falta de investimento no país destruíram o que costumava ser "o melhor sistema educativo da região", segundo a Unicef, agência das Nações Unidas para a infância, em seu site, onde diz que "uma em cada duas escolas está danificada e necessita de reconstrução".

O Iraque tem 40 milhões de habitantes e "cerca de 3,2 milhões de crianças iraquianas em idade escolar não frequentam a escola", detalha a agência.

tgg/jsa/srm/sag/lm/cr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos