Duas espécies de corujas, já ameaças de extinção, são descobertas no Brasil

Louise Queiroga
·2 minuto de leitura

RIO — Duas espécieis de pequenas corujas foram descobertas por pesquisadores brasileiros e estrangeiros na Amazônia e em áreas de Mata Atlântica no Nordeste. Elas já são, contudo, consideradas como ameaçadas de extinção.

“Nem mesmo ornitólogos profissionais que trabalharam com corujas por toda a vida concordariam com o número real de espécies encontradas neste grupo, então um estudo como o nosso é esperado há muito tempo”, afirmou ao portal científico "EurekAlert" o brasileiro Alexandre Luis Padovan Aleixo, chefe da equipe responsável pela pesquisa e curador de aves no Museu Finlandês de História Natural da Universidade de Helsinque.

Uma das corujas novas, apelidada de corujinha-do-xingu, recebeu o nome científico de Megascops stangiae, em homenagem à ativista Irmã Dorothy Mae Stang, defensora do meio ambiente e da população da área do Xingu, que foi morta em 2005.

Conforme os autores do estudo escreveram na pesquisa, publicada em 26 de março no periódico "Zootaxa", Dorothy Stang atuava como líder naquela região desde a década de 1960, "até ser brutalmente assassinada por fazendeiros em Anapú, no Estado do Pará".

Segundo os pesquisadores, a corujinha-do-xingu costuma ficar tanto na vegetação rasteira quanto em meio às árvores. Durante o dia, se esconde dentro de buracos ou, frequentemente, é vista misturada em feixes de folhas caídas ao solo. Ela vive desde o nível do mar até cerca de 700 metros, como na Serra dos Carajás. Sua plumagem é marrom, que varia de castanho claro e escuro, caracterizada por listras em forma de espinha de peixe, com tonalidades alaranjada e amarelada, que podem ser diferentes em cada ave. Algumas podem apresentar um tom mais puxado para o vermelho. Pequenina, tem um comprimento de cerca de 30 mm e cauda de 90 mm, pesando aproximadamente 140 gramas.

A segunda, chamada corujinha-de-alagoas, ganhou um nome científico que homenageia o Estado de Alagoas, onde foi registrada pela primeira vez em fevereiro de 2001: Megascops alagoensis. Segundo o estudo, o pesquisador Curtis A. Marantz fez, à época, uma gravação do som emitido pela ave usando um gravador de fita, que está disponível na Biblioteca Macaulay, nos EUA. E Alagoas também é o principal habitat que se tem conhecimento desta nova espécie.

A corujinha-de-alagoas vive em áreas de Mata Atlântica, sendo avistada ainda no Sul de Pernambuco. Ela costuma fica em meio à vegetação rasteira.

"Dada a extensa fragmentação florestal na região, a espécie deve ser considerada em perigo crítico, junto com várias outras espécies de pássaros florestais localizadas lá encontradas", afirma o estudo.

Sua plumagem é comumente avermelhada nas partes superiores, com listras mais escuras nas costas e uma meia gola castanha. No peito, também aparecem listras vermelhas e finas, sem formar aquele desenho semelhante à espinha de peixe da corujinha anterior. Na parte da barriga, a tonalidade é mais puxada para o amarelo, com algumas manchas esbranquiçadas.