Duas mulheres são vítimas de feminicídio no Estado do RJ em menos de 12 horas

Marjoriê Cristine
·3 minuto de leitura

O ano mudou, mas o crime de feminicídio ainda leva dor e sofrimento para muitas famílias. Em menos de 12 horas, duas mulheres foram assassinadas em duas cidades do Rio de Janeiro nesta segunda-feira, dia 4. Em um dos casos que são investigados pela Polícia Civil, o suspeito é ex-companheiro da vítima. A primeira delas foi uma adolescente de 14 anos, que morreu por volta das 11h40, após ser atingida por tiros no bairro do Condado, em Paraty, na Costa Verde do RJ. A menina, que completaria 15 anos neste mês, chegou a ser socorrida, mas morreu no Hospital municipal Hugo Miranda.

De acordo com o delegado Marcelo Russo, titular da 167ªDP (Paraty), familiares e testemunhas estão sendo ouvidos desde segunda-feira. Um suposto autor do crime foi identificado, mas as investigações estão em segredo para não atrapalhar as diligências. A Polícia ainda aguarda o laudo da perícia de necropsia para determinar quantos projéteis atingiram a jovem e quais os órgãos. Há indícios de que o tiro pegou no braço, quando a vítima poderia estar se defendendo, e no queixo.

— Todos estão sendo ouvidos desde ontem, hoje e vamos continuar as oitivas durante a semana. A investigação não para e já requisitamos as provas periciais e técnicas para constatar o local do projétil, que foi fatal, além da dinâmica do crime. Há relatos de que um suposto autor teve contato com ela no dia, que é uma pessoa envolvida com o tráfico de drogas local. Estamos confirmando a autoria e, para não prejudicar as investigações, estamos mantendo o sigilo. Mas estamos bem encaminhados — diz o delegado da 167ªDP.

Mulher é morta na frente da filha

Uma mulher de 30 anos é mais uma vítima de feminicídio no Estado do Rio de Janeiro. Na noite de segunda-feira, dia 4, Natália Lima foi morta com três tiros pelo na casa onde vivia no bairro dos Féos, em Teresópolis, na Região Serrana. O suspeito é ex-marido da vítima, Alexsandro Fonseca, que ainda tentou tirar a própria vida, mas foi levado para o hospital da cidade para receber atendimento. O assassinato foi cometido na frente da filha deles, uma menina de apenas 11 anos que tem a Síndrome Delecção 1p36, uma condição genética rara.

Segundo informações de familiares, eles estavam separados há três meses, mas o ex-marido estava inconformado por Natália não aceitar reatar o casamento. Uma prima da vítima afirma que a jovem já havia assumido um novo relacionamento, o que revoltou o Alexandro.

— Eles foram casados por muitos anos. Mas haviam se separado há três meses e ela assumiu outro relacionamento. O assassino, ao saber da história, pegou uma arma e foi atrás dela. Chegando lá, ele disparou dois tiros que não há mataram, e um terceiro enquanto ela havia desmaiado pela dor dos disparos. O terceiro não só tirou sua vida como levou parte de nós... Ela era muito dedicada e estudiosa, muito querida por todos nós. Só queremos justiça por esse caso — diz Isabela Gomes.