Dubai quer tornar-se centro de tecnologia financeira

A economia global está a atravessar um período difícil devido ao aumento da inflação, à subida das taxas de juro e às incertezas políticas. Mas a tecnologia financeira ou Fintech foi um dos setores que se saiu melhor do que muitos outros.

O termo Fintech refere-se ao software, tecnologia e aplicações móveis criadas para melhorar e automatizar as formas tradicionais de financiamento para empresas e consumidores.

De acordo com a empresa de investigação Statista, os pagamentos digitais deverão crescer de 4.22 biliões de euros, em 2020, para 7.92 biliões até 2024.

Isto foi exposto no Centro Financeiro Internacional do Dubai, na semana Fintech deste mesmo centro. A conferência de liderança abordou as últimas oportunidades, desafios e tendências tecnológicas que impulsionam o setor de serviços financeiros da região. O evento inaugural contou com a presença deEssa Kazim, responsável do Centro Financeiro Internacional do Dubai.

Finanças estão a sofrer uma transformação sem precedentes

Essa Kazim explicou que as finanças estão a sofrer "uma transformação profunda, sem precedentes, impulsionada pelas tecnologias digitais e inovação, que estão a moldar os pagamentos, os seguros de empréstimo e a gestão de riqueza".

O responsável disse que a Fintech é o setor que apresenta o crescimento mais rápido no Centro Financeiro Internacional do Dubai, contribuindo mais de 35% para o número total de empresas que foram ali estabelecidades no último ano.

"Criámos um ecossistema totalmente desenvolvido que começa na incubadora, passa pelo acelerador até ao centro de inovação, para fornecer o financiamento adequado e, claro, licenças de inovação. Temos este ecossistema integrado e, em paralelo, temos trabalhado para criar o ambiente regulador necessário com as melhores práticas a nível internacional", explicou.

Euronews
Essa Kazim falou sobre a área da tecnologia financeira no Dubai. - Euronews

Desde ferramentas tecnológicas a apresentações e painéis de discussão, este evento reúne investidores e empresas que procuram soluções dinâmicas para o setor de blockchain e tecnologia financeira.

Especialistas presentes no evento afirmaram que, através do talento e financiamento, o Dubai vai tornar-se uma plataforma de lançamento para empreendedores globais para construírem e se expandirem em toda a Região do Médio Oriente e Norte de África (MENA).

O setor está em rápida expansão e o Presidente da Associação FinTech desta região, Nameer Khan,defende que o nosso dia-a-dia está rodeado de inovações provenientes da indústria de tecnologia financeira (Fintech).

"O que acontece com a Fintech é que permite que os serviços financeiros se tornem invisíveis, transparentes e, mais importante do que tudo, acessíveis. Os pagamentos são feitos por toque. Para além disso, está basicamente a comprar um produto online. É super conveniente", mencionou.

Euronews
Empresa amazon, com sede no Dubai. - Euronews

Em junho, surgiu um novo impulso na região, com a Amazon a lançar o seu laboratório Fintech, um centro para a inovação e criatividade digital, sedeado no Centro Financeiro e Fintech do Dubai.

Trabalhando com startups, pequenas e médias empresas e parceiros, o objetivo é apoiar novos programas e ideias e avançar ao nível do conhecimento sobre pagamentos digitais e setores da tecnologia financeira em todo o mundo. No entanto, o acesso ao financiamento continua a ser a maior prioridade das startups.

Sharif El-Badawi, CEO, do Dubai Future District Fund, defendeu que a área da tecnologia financeira terá um impacto muito significativo nos próximos meses.

"Temos uma diretriz, no fundo em que estamos a investir, através do chamado futuro das finanças. Por isso, para mim, trata-se da trajetória destas tecnologias e tudo o que se ouve sobre a tecnologia financeira, para onde ela nos leva, especialmente nos próximos 24 meses. Penso que será crucial aqui na região e um pouco por todo o mundo, a forma como olhamos para as propostas de valor subjacentes às empresas Fintech, a interseção entre elas e os bancos e as instituições financeiras e reguladores com os quais têm de lidar"

Fintech Qashio criou duas inovações no mundo da tecnologia financeira

A empresa Fintech Qashio, com sede no Dubai, conseguiu angariar fundos. Recentemente, a empresa criou o primeiro cartão empresarial dos Emirados Árabes Unidos e uma plataforma de gestão de despesas, angariando 2.4 milhões de euros, na última fase para se lançarem no mercado do Médio Oriente e norte de Africa.

Com a Quashio, as equipas de finanças e de recursos humanos das empresas podem estabelecer e alterar os limites de gastos em cartões físicos e virtuais. Isto elimina a utilização de dinheiro, evita pedidos de reembolso de despesas e reduz a quantidade de trabalho relativo aos reembolsos.

Euronews
Armin Moradi, CEO e co-fundador da empresa Fintech Qashio. - Euronews

"O que estamos a fazer é algo que, tanto as empresas como os governos e bancos estão interessados em permitir: a redução da circulação do dinheiro. Isto reduz a fraude e é uma óptima ferramenta para o controlar. Não precisa de aguardar pelo dinheiro, quando tem uma despesa. Fica disponível na aplicação. Ao mesmo tempo, ajuda na consciência sobre a forma como pode gastar o dinheiro, para que possa trabalhar de acordo com as políticas que a empresa estabeleceu e que, por defeito, reduz os conflitos internos", rematou Armin Moradi, CEO e co-fundador da empresa.

A área da tecnologia financeira apresenta assim um crescimento visível e o Dubai está a tentar tornar-se um centro de referência nesta área.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos