Dublê de "Dirty Dancing 2" relata agressão sexual de Harvey Weinstein em julgamento

Harvey Weinstein na corte de Clara Shortridge Foltz Criminal Justice Center em Los Angeles, Califórnia, em 4 de outubro de 2022. (Foto: Etienne Laurent/POOL/AFP via Getty Images)
Harvey Weinstein na corte de Clara Shortridge Foltz Criminal Justice Center em Los Angeles, Califórnia, em 4 de outubro de 2022. (Foto: Etienne Laurent/POOL/AFP via Getty Images)

Ashley M., dançarina que trabalhou como dublê de corpo em "Dirty Dancing 2 - Noites em Havana", filme produzido por Harvey Weinstein em 2004, revelou detalhes da agressão sexual que sofreu nos bastidores do longa. A vítima prestou depoimento na última quinta-feira (27) no julgamento do ex-produtor de cinema e fez um relato do encontro que teve com Weinstein em um hotel, que acabou com o empresário se masturbando nela.

Ashley informou que tinha 22 anos quando o crime ocorreu em Porto Rico, onde a trama foi filmada em 2003. Ela conheceu o produtor no set e a convidou para conversar em particular, sugerindo uma "massagem nua", mas ela negou o convite afirmando que estava noiva.

A dançarina conta que Weinstein insistiu e mencionou que havia feito a mesma massagem na atriz Gwyneth Paltrow e era uma ótima proposta para sua alavancar sua carreira. "Eu deveria estar no set, mas ele respondeu 'sou eu quem manda aqui, todos respondem a mim'", detalhou a testemunha em trecho do julgamento publicado pelo "Deadline".

A vítima relatou que o comportamento do produtor se tornou agressivo e ficou com medo de sua reação, aceitando acompanhá-lo com sua assistente na época, Bonnie Hung. Ela teria deixado os dois sozinhos no quarto: "Harvey começou a ficar agressivo e acabou me jogando na cama. Ele estava dizendo um monte de coisas e tirou minha blusa e meu sutiã".

A dançarina disse que insistiu para que ele parasse e começou a chorar. Weinstein ainda se masturbou e ejaculou nos seios e no rosto de Ashley. Ela afirmou que nunca denunciou o crime por medo de destruir a própria carreira.

Ainda nesta sexta-feira (28), o julgamento será retomado. Vale lembrar que Harvey Weinstein está cumprindo uma sentença de 23 anos por crimes sexuais em Nova York.

Acusações contra Harvey Weinstein deram início ao movimento "Me Too"

Harvey Weinstein é um ex-produtor de filmes norte-americano condenado por crimes sexuais. Ele e o irmão, Bob Weinstein, co-fundaram a empresa de entretenimento Miramax, que produziu vários filmes, entre eles "Pulp Fiction" (1994) e "Shakespeare Apaixonado" (1998).

Em 2017, Weinstein foi acusado de cometer abusos sexuais contra mais de 80 mulheres. As acusações provocaram o início da campanha "#MeToo" nas redes sociais.