Duda Reis presta queixa contra Nego do Borel e o acusa de estupro, agressão e transmissão de HPV

Extra
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Instagram

Duda Reis fez um boletim de ocorrência contra Nego do Borel nesta quinta-feira na 1ª DDM (Delegacia de Defesa da Mulher ), em São Paulo. No depoimento, a atriz faz acusações séries ao ex-noivo, como estupro de vulnerável, ameaça, injúria, lesão corporal, e até transmissão de HPV (infecção sexualmente transmissível).

De acordo com o boletim de ocorrência, Duda relatou as diversas agressões que sofreu do funkeiro e contou que foi ameaçada por ele com uma faca em novembro de 2019. Segundo relatou Duda, Nego, dizia que iria matá-la. A teria ocorreu por ciúme, segundo a atriz. Ela ainda acusa Nego do Borel de transmitir a ela uma infecção sexualmente transmissível durante o relacionamento dos dois:

"Vítima foi traída diversas vezes pelo autor sem que soubesse, e que contraiu HPV do autor. Duda só teve um parceiro sexual antes do agressor. Ele manteve relação sexual com outras mulheres", diz um trecho.

No boletim, Duda alega que foi agredida pela primeira vez em 2018, durante o Carnaval, quando Borel teria apertado seus braços, resultando em lesões. No mesmo ano, ainda segundo a atriz, o cantor a empurrou e a humilhou em um evento, o que causou outras lesões.

A atriz disse também que, em agosto de 2018, em uma viagem a Portugal com Borel, ela permaneceu dopada pelo uso de medicamentos contra ansiedade, ingeridos por pressão do cantor. Segundo a acusação, quando ele retornava de shows e de saídas noturnas, Borel mantinha relações sexuais não consentidas pela vítima, que se encontrava dopada. Ela afirma que dizia para ele não continuar.

Em outubro de 2019, segundo Duda, ocorreram violências contra ela na casa do cantor: "Em uma crise de ciúme, o autor a agrediu com pontapés na perna e arrebentou a 'cabeçadas' a porta do local. Eram corriqueiros os danos a objetos da residência durante as crises de ciúme, e o mesmo dizia que quebraria os objetos para não ter que 'quebrar a vítima' [sic]..

Eram comuns ameaças de morte à vítima e que o mesmo dizia que bateria o veículo e se mataria. Que acelerava o veículo em direção a postes e desviava, deixando a vítima em pânico."..

Ainda no relato de Duda, ela diz que descobriu na residência de Borel um fuzil e um cofre com R$ 2 milhões em espécie. Por fim, requisitou medida protetiva com base na Lei Maria da Penha. Dessa maneira, Nego não pode contatá-la, nem se aproximar dela.

Duda está sendo defendida pelas advogadas crimanalistas, a ex-BBB Gizelly Bicalho e Izabella Borges.