Dupla invade hospital e mata paciente a tiros na zona sul de SP

ALFREDO HENRIQUE
SÃO PAULO, SP, 09.03.2020 - VIOLÊNCIA-SP - Movimentação de policiais no pronto-socorro do hospital Heliópolis, na zona sul da capital paulista, onde criminosos invadiram e terminaram de matar um homem que tinha sido baleado na rua e encaminhado para unidade de saúde. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Valdinei Carlos Ribeiro, 35 anos, morreu após ser baleado dentro do hospital Heliópolis, em Sacomã (zona sul da capital paulista), por volta das 15h30 deste domingo (8). A vítima foi levada à unidade de saúde pois havia sido baleada, na madrugada do mesmo dia, na avenida Almirante Delamare, também na zona sul.

Segundo a polícia, ao menos dois suspeitos entraram no hospital e atiraram contra Ribeiro. Eles não haviam sido identificados até a publicação desta reportagem. A motivação para o crime é investigada.

A Polícia Militar foi acionada para atender a uma ocorrência de disparo de arma de fogo na avenida Almirante Delamare. Chegando ao local, encontraram Ribeiro caído no chão com diversas marcas de tiro. Ele foi levado pelo Resgate até o pronto-socorro do hospital Heliópolis, onde foi socorrido e internado. Segundo a polícia, ele estava consciente.

O Agora apurou que, por volta das 15h30, dois suspeitos entraram no hospital, foram até a emergência e atiraram contra Ribeiro. Em seguida, fugiram em uma moto.

Ribeiro foi submetido a uma cirurgia de urgência, mas não resistiu. Segundo policiais relataram à reportagem sob condição de anonimato, Ribeiro já respondeu pelo crime de tráfico de drogas.

O caso foi registrado no 26º DP (Sacomã), mas será investigado pelo DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa).

OUTRO LADO

A Secretaria de Estado da Saúde, sob gestão João Doria (PSDB), foi questionada mas não se posicionou sobre a segurança da unidade de saúde e como os suspeitos entraram no hospital. Segundo nota encaminhada ao Agora, a pasta informa que "o Hospital Heliópolis está à disposição das autoridades policiais para contribuir com as investigações."