Duque de Caxias é a segunda cidade do estado com maior número de mortes por Covid-19

Cíntia Cruz
·5 minuto de leitura
Arquivo pessoal

covid_caxias.jpg

Arquivo pessoal

RIO - Após três dias de internação pela Covid-19, a professora aposentada Luzia de Souza Silva, de 62 anos, teve alta do Hospital Municipal São José, em Duque de Caxias, no último dia 20. Mas ela ainda não pôde comemorar. No mesmo dia, seu pai, de 89 anos, que havia sido internado na véspera, morreu na unidade. Seu marido, internado dia 16 no mesmo hospital, está entubado.

— Estávamos em êxtase comemorando minha chegada e, duas horas depois, recebemos o comunicado de que meu pai teve três paradas cardíacas e, infelizmente, não resistiu. Eu venci a Covid, mas estou em oração para que meu marido vença também — torce Luzia.

No estado, Caxias é a segunda cidade com maior número de óbitos, segundo o último boletim da Secretaria Estadual de Saúde. São 824 mortes, perdendo apenas para a capital. No município, a taxa de ocupação de leitos de CTI e enfermaria exclusivos para Covid-19 é de 63%.

Para Luzia, falta consciência à população para que sejam seguidas as medidas de restrição. Ela tem receio de uma segunda onda da doença:

— As pessoas não estão levando a sério. No dia em que estive na UPA, as pessoas do lado de fora estavam sem máscara. As pessoas precisam ter mais consciência, cada um fazer a sua parte. A doença vem numa rapidez muito grande. Temo que volte a segunda (fase da) doença e pode ser pior do que a primeira.

Isolado em casa há 14 dias, o professor Filipo Tardim, de 39, acredita estar, finalmente, se recuperando dos sintomas da Covid-19. Morador de Imbariê, em Duque de Caxias, ele apresentou febre por 12 dias e ficou, cinco deles, sem olfato. O município é o quarto do estado e o primeiro da Baixada Fluminense com o maior número de casos confirmados da doença: 11.446.

— Acredito que o número de casos seja bem maior. Se não tem teste, não tem Covid. Comecei com a tosse dia 7 e a febre dia 8. Dois dias depois, fui ao Posto de Imbariê, mas o médico disse que não era necessário fazer o teste. Eu não paguei por um porque é muito caro — contou o professor.

Pouco antes de apresentar os sintomas, Filipo fotografou um casamento. Ele acredita ter sido contaminado na festa, mas ressaltou que não tem observado respeito às regras para evitar o contágio:

— Estava me cuidando direto. Acho que contraí o vírus nesse casamento. Outras pessoas que estavam lá também tiveram sintomas. Mas em Caxias, a população banalizou mesmo. É muito difícil ir à rua e ver alguém de máscara.

Além de Duque de Caxias, outras duas cidades da Baixada estão entre as dez do estado com mais casos. São 11.359 em Belford Roxo e 8.303 em Nova Iguaçu, que também é o quarto município do estado com mais mortes: 732. Em Nova Iguaçu, a taxa de ocupação de leitos de Covid-19 é de 73%. Em Belford Roxo, está em 60%.

Duque de Caxias tem total de 192 leitos exclusivos para Covid-19 na rede municipal

A Prefeitura de Duque de Caxias informou que a rede pública municipal conta com seis Unidades Pré Hospitalares (UPH), contabilizando 75 leitos para estabilização e observação, adultos e pediátricos, e que estão preparados para atenderem também na retaguarda e primeiros socorros aos suspeitos de Covid-19 no município.

Sobre os leitos exclusivos para Covid-19, destacou que o complexo do Hospital Municipal Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo (HMMRC) dispõe hoje de dez leitos de enfermaria na UPA Beira Mar e dez leitos de CTI. Os números atualizados de ocupação mostram que, nesta manhã de domingo (22/11), a unidade conta com seis pacientes internados em CTI e cinco em enfermaria.

No Hospital Municipal São José, são cem leitos de CTI e 28 de enfermaria,exclusivos para Covid-19. A ocupação neste domingo é de 74 leitos de CTI e 17 de enfermaria. A prefeitura ressaltou que o Hospital Municipal São José recebe pacientes de todo o estado, através do Sistema Estadual de Regulação (SER).

No Hospital de Saracuruna Adão Pereira Nunes (HEAPN), há 44 leitos específicos para pacientes de Covid-19, sendo a taxa de ocupação, no momento, de 19 pacientes internados, sendo quatro em CTI e 15 em enfermaria.

A Prefeitura de Duque de Caxias informou também que aguarda o decorrer da semana para avaliar a situação do Covid-19 no município e estudar decisões a serem tomadas.

Sobre a testagem para a Covid-19, a prefeitura informou que segue a deliberação sobre a estratégia de ampliação de testagem RT-PCR, no âmbito dos municípios do Estado do Rio de Janeiro, que estabelece o público alvo para coleta de exames RT-PCR nas unidades de saúde em todo o estado.

A Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil de Duque de Caxias disse ainda que, no decorrer desta semana, estará reunida com a Secretaria Estadual de Saúde, onde deverão ser avaliadas novas medidas para a ampliação da testagem em todo o estado.

Belford Roxo vai analisar medidas; Nova Iguaçu poderá ampliar número de leitos

A Prefeitura de Belford Roxo informou que dispõe de quatro unidades para o tratamento da Covid -19, somando no total 157 leitos, dos quais 60% estão ocupados. A Secretaria Municipal de Saúde abrirá mais leitos de acordo com a necessidade.

Sobre a questão do isolamento, o prefeito Waguinho determinou que uma equipe técnica se reúna até terça-feira para analisar quais medidas são necessárias para conter o avanço da doença.

Segundo a Prefeitura de Nova Iguaçu, o município conta hoje com 30 leitos exclusivos para atender casos do novo coronavírus no Hospital Geral de Nova Iguaçu, sendo dez de UTI e 20 de enfermaria, que podem ser equipados como UTI em caso de necessidade. Neste domingo (22), há 22 pacientes internados, sendo oito em UTI e 14 em enfermaria.

A administração municipal ressaltou que não há fila para leitos de Covid-19, mas, sendo necessário, haverá ampliação de leitos exclusivos para atender pacientes com a doença.