Durante CPI da Covid, senador por SC lamenta chacina em creche

Anita Efraim
·5 minuto de leitura
Jorginho Mello é senador pelo PL de Santa Catarina - Foto: Reprodução/TV Câmara
Jorginho Mello é senador pelo PL de Santa Catarina - Foto: Reprodução/TV Câmara
  • Na CPI da Covid, senador lamentou chacina em Santa Catarina

  • Jorginho Mello é senador pelo PL de Santa Catarina

  • Nesta terça-feira (4), um rapaz de 18 anos matou pelo menos cinco pessoas em uma creche na cidade de Saudades, SC

Durante a CPI da Covid no Senado Federal, o senador Jorginho Mello (PL-SC) lamentou a chacina na cidade de Saudades, em Santa Catarina

"Hoje é um dia triste para nós de Santa Catarina pelo ocorrido lá no meu estado, na cidade de Saudades, onde um jovem adentrou a uma creche e tirou a vida de três crianças com 2 a 3 anos de idade, e de duas professoras. Quero lamentar isso, um fato muito triste para todos nós e temos que lamentar", disse o senador, antes de começar as perguntas ao ex-ministro da Saúde depoente, Luiz Henrique Mandetta

O ex-ministro também lamentou o caso e falou na criação de um protocolo governamental para a "síndrome pós-covid". Segundo Mandetta, é preciso que o Ministério da Saúde se atente à sanidade mental da população, prejudicada pela pandemia de coronavírus. 

Leia também

Entenda o caso em Saudades, Santa Catarina

Nesta terça-feira, um adolescente de 18 anos invadiu uma creche e matou ao menos cinco pessoas no município de Saudades, em Santa Catarina O rapaz portava um facão no momento do ataque.

O delegado Jerônimo Marçal Ferreira, responsável pelo caso, confirmou a morte de três crianças e duas professoras. A Polícia Civil também anunciou a prisão do agressor após o crime.

Os policiais receberam diversas ligações pedindo socorro no local por volta das 11 horas. Segundo o 2º Batalhão da PM de Chapecó, a ocorrência ainda estava em andamento no fim da manhã desta terça.

Inicialmente, os veículos locais noticiaram a morte de duas crianças e o ferimento de duas professoras. Posteriormente, porém, o número de mortos subiu para cinco. Uma outra funcionária da creche ficou gravemente ferida. Veículos da imprensa local informaram que ela também não resistiu aos ferimentos, mas a última atualização policial dava conta de que a mulher lutava pela vida.

Saudades é uma cidade próxima a Chapecó, em Santa Catarina - Foto: Reprodução
Saudades é uma cidade próxima a Chapecó, em Santa Catarina - Foto: Reprodução

As identidades do jovem e das vítimas não foram reveladas. O adolescente responsável pelos crimes também teria ficado ferido na ação da polícia. Ele não tem histórico de crimes, segundo o delegado.

"O rapaz tem 18 anos, não tem histórico policial. Ainda não angariamos com a família a condição, o histórico pessoal dele. Ele chegou por volta das 10 horas, armado, com arma branca, e começou a atacar a professora, que veio a falecer. A professora correu para outra sala, onde estavam as crianças, e ele começou a atacá-las também. Havia quatro crianças lá."

Sobre a CPI da Covid no Senado

Após mencionar a chacina em Santa Catarina, na primeira pergunta a Mandetta, Jorginho Mello defendeu o uso do chamado "kit covid", composto por remédios comprovadamente ineficazes no tratamento da covid-19, como cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina.

O que deve ser investigado pela CPI

  • Ações de enfrentamento à Pandemia, incluindo vacinas e outras medidas como a distribuição de meios para proteção individual, estratégia de comunicação oficial e o aplicativo TrateCOV;

  • Assistência farmacêutica, com a produção e distribuição de medicamentos sem comprovação

  • Estruturas de combate à crise;

  • Colapso no sistema de saúde no Amazonas;

  • Ações de prevenção e atenção da saúde indígena;

  • Emprego de recursos federais, que inclui critérios de repasses de recursos federais para estados e municípios, mas também ações econômicas como auxílio emergencial.

Quem é o relator da CPI, Renan Calheiros

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai apurar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia terá como relator o senador Renan Calheiros (MDB-AL). O colegiado será presidido por Omar Aziz (PSD-AM) e o vice-presidente será o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Crítico ao governo Jair Bolsonaro, Renan Calheiros será responsável por dar o rumo aos trabalhos e produzir o texto final, que pode ser encaminhado ao Ministério Público e a outros órgãos de controle.

É um dos nomes mais antigos no Senado brasileiro. Ele está há 26 anos na Casa e tem mandato até janeiro de 2027. Foi três vezes presidente do Senado, além de ministro da Justiça no governo FHC. É pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

Crítico ao governo de Jair Bolsonaro, nesta semana, Renan Calheiros defendeu que o MDB apoie o ex-presidente Lula na eleição presidencial de 2022.

Como vai funcionar a CPI no Senado

O que diz a Constituição?

A Constituição estabelece que são necessários três requisitos para que uma CPI possa funcionar: assinaturas de apoio de um terço dos parlamentares da Casa legislativa (no caso do Senado são necessários 27 apoios); um fato determinado a ser investigado; e um tempo limitado de funcionamento.

Quanto tempo pode durar uma CPI?

Depende do prazo que o autor do requerimento estipular. No caso da CPI da Covid, o prazo inicial é de 90 dias, conforme requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) de 15 de janeiro.

Quais os poderes de uma CPI?

Poderes de investigação próprios dos juízes, além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas. No Senado, os membros da CPI podem realizar diligências, convocar ministros de Estado, tomar o depoimento de qualquer autoridade, inquirir testemunhas, sob compromisso, ouvir indiciados, requisitar de órgão público informações ou documentos de qualquer natureza e ainda requerer ao Tribunal de Contas da União a realização de inspeções.