É falso o ministro Barroso defendeu o voto impresso em vídeo de 2017

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Urna eletrônica usada nas eleições em Salvador, Bahia, em 31 de julho de 2018, em Salvador (Foto: Getty Images)
Urna eletrônica usada nas eleições em Salvador, Bahia, em 31 de julho de 2018, em Salvador (Foto: Getty Images)
  • No último domingo (26), o presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista ao programa 4 por 4

  • Na conversa, o mandatário alegou que o voto impresso sempre foi defendido pelo ministro Luís Roberto Barroso e que um vídeo de 2017 comprovava isso

  • Informação, no entanto, é falsa e presidente se referiu a um vídeo tirado de contexto

Em uma entrevista ao programa 4 por 4, no último domingo (27), o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que o ministro Luís Roberto Barroso do STF, que já foi presidente do TSE, sempre foi favorável ao voto impresso. Segundo ele, há um vídeo de 2017 no qual o ministro defende o mecanismo de votação. No entanto, a informação é falsa, pois o mandatário se referiu a uma gravação retirada de contexto. A informação já havia sido desmentida, inclusive, pelo TSE.

Jair Bolsonaro falou sobre suposta defesa do ministro Barroso ao voto impresso, em entrevista em 26 de junho de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
Jair Bolsonaro falou sobre suposta defesa do ministro Barroso ao voto impresso, em entrevista em 26 de junho de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)

Voto impresso

"O voto impresso, ao lado da urna eletrônica, em 2017, o Barroso apoiou. Nós temos vídeo do Barroso sobre isso aí, temos inclusive um vídeo do próprio TSE falando bem do sistema eletrônico e com a vinda da impressora ao lado ali do computador como um aperfeiçoamento. Ou seja, o Barroso sempre defendeu o voto impresso"

Presidente Jair Bolsonaro em entrevista em 26 de junho de 2022

Uma busca no Google pelo suposto vídeo direcionou a uma publicação do TSE, que afirma que o vídeo é sem contexto e editado. A publicação também reforça que o ministro defende o atual sistema de votação eletrônica:

"Barroso sempre destacou que, no Brasil, uma das coisas que dão certo é o processo eletrônico de votação [...]. Ele também declarou, desde aquela época, o sucesso do atual sistema e o bom desempenho das urnas eletrônicas".

No vídeo original – sobre um protótipo de urna que dentre outras funções, incorporava o voto impresso –, o ministro se pronunciou sobre o design da urna, afirmando que ela era "esteticamente muito bonita e vem se integrar a esse sistema extraordinário de apuração eleitoral que nós temos no Brasil".

No entanto, em relação ao voto impresso, conforme publicado pelo TSE na mesma data, o ministro destacou se tratar de um "retrocesso".

Esse modelo foi apresentado após a lei nº 13.165/2015 determinar a implementação do voto impresso a partir das eleições de 2018. Porém, a lei foi declarada inconstitucional pelo STF em 2018 por meio de uma decisão cautelar.

O julgamento definitivo da questão ocorreu em 2020, na ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 5.889. Na ocasião, o ministro Barroso votou pela declaração de inconstitucionalidade do voto impresso, argumentando que a "Lei que determina a impressão de registro do voto, com potencial violação de seu caráter sigiloso e elevado custo de implementação, sem que haja evidências de risco à lisura do processo eleitoral no sistema eletrônico de votação, viola o princípio da proporcionalidade".

A história sobre o ministro Barroso já foi verificada pelo Fato ou Fake em 2021.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos