É falso que Bolsonaro tenha recebido soco após a facada em 2018

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Jair Bolsonaro então candidato à Presidência logo após receber facada em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 6 de setembro de 2018 (Foto: AFP via Getty Images / Raysa Leite)
Jair Bolsonaro então candidato à Presidência logo após receber facada em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 6 de setembro de 2018 (Foto: AFP via Getty Images / Raysa Leite)
  • O cantor Netinho compartilhou em suas redes sociais um vídeo que mostraria Jair Bolsonaro recebendo um soco após a facada sofrida em 2018

  • A gravação destaca um trecho em que um homem encosta com a mão fechada na barriga de Bolsonaro

  • A informação, porém, é falsa e foi descartada pela PF

Um vídeo de Jair Bolsonaro (PL) supostamente recebendo um soco após o atentado da facada que sofreu em 2018 foi compartilhado pelo cantor Netinho em sua página do Facebook e circula nas redes com mais de 1.300 interações. Bolsonaro recebeu uma facada em 6 de setembro daquele ano, quando ainda era candidato à Presidência, durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

A gravação viralizada destaca um momento em que um homem encosta na barriga do presidente, enquanto ele estava sendo socorrido. No entanto, a informação é enganosa e foi descartada tanto pela PF (Polícia Federal) quanto por seu filho Eduardo Bolsonaro.

Vídeo enganoso de Jair Bolsonaro supostamente recebendo um soco após ter sofrido uma facada em Juiz de Fora, em MG, em setembro de 2018 (Foto: Facebook / Reprodução)
Vídeo enganoso de Jair Bolsonaro supostamente recebendo um soco após ter sofrido uma facada em Juiz de Fora, em MG, em setembro de 2018 (Foto: Facebook / Reprodução)

Conclusão da PF

No inquérito da PF, publicado pelo Estadão, a teoria do soco é descartada. A partir da página 143 do documento – em um trecho que analisa especificamente "informações falsas veiculadas nas redes sociais e na internet" –, a PF concluiu que não houve soco. O boato já havia circulado nas redes próximo à data do episódio. Segundo a investigação, o suposto autor da agressão na verdade fazia parte da segurança do então candidato:

"O homem apontado no vídeo como autor do soco é o Agente de Polícia Federal LUIZ FELIPE FÉLIX, o qual compunha a célula de segurança do candidato, tendo sido um dos policiais responsáveis por 'extrair' a vítima do local da facada, levando-a para um ambiente seguro".

O documento assegurou ainda que o histórico do policial foi investigado e que em seguida afastou "qualquer indicativo mínimo que pudesse sustentar uma suposta atuação em conluio com ADÉLIO BISPO DE OLIVEIRA ou mesmo motivação para atentar contra o então candidato".

Teoria descartada

Logo após o atentado, em 8 de setembro de 2018, o deputado federal e filho do presidente Eduardo Bolsonaro assegurou nas redes sociais que não houve soco.

Ele explicou a situação e esclareceu que o policial Federal não agrediu Bolsonaro:

Além disso, a tese de que o atentado teria sido ordenado pelo PSOL também foi descartada pela PF. A investigação concluiu que Adélio Bispo agiu sozinho.

Conteúdo semelhante foi analisado pelo Estadão Verifica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos