É falso que Lula confessou fraude nas eleições; fala foi retirada de contexto

Presidente eleito Lula (PT) em uma reunião com ativistas na COP27, em Sharm el-Sheikh, no Egito, em 17 de novembro de 2022 (Foto: Associated Press / Peter Dejong)
Presidente eleito Lula (PT) em uma reunião com ativistas na COP27, em Sharm el-Sheikh, no Egito, em 17 de novembro de 2022 (Foto: Associated Press / Peter Dejong)
  • Usuários espalham nas redes sociais que Lula teria confessado uma fraude nas eleições

  • Junto às publicações é compartilhado um vídeo da suposta confissão

  • A declaração, porém, foi retirado de contexto

Circula nas redes sociais um vídeo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) falando em "golpe na urna" e usuários alegam que ele estaria confessando ter fraudado as eleições. O conteúdo ultrapassou 11 mil visualizações no TikTok nesta terça-feira (29).

Mas a informação é falsa. O vídeo de Lula foi tirado de contexto. Na declaração original, ele usou a expressão "golpe na urna" para se referir a uma possível derrota de seu adversário Jair Bolsonaro (PL).

Captura de tela de um vídeo de Lula que é usado para alegar que o presidente eleito supostamente confessou que as eleições foram fraudadas (Foto: TikTok / Reprodução)
Captura de tela de um vídeo de Lula que é usado para alegar que o presidente eleito supostamente confessou que as eleições foram fraudadas (Foto: TikTok / Reprodução)

Uma busca no Google pelo trecho da fala de Lula "ele calminho pode até sair pela porta do fundo como Figueiredo", presente no vídeo viral, direcionou a uma notícia repercutindo a declaração. O texto informa que a afirmação foi feita em uma entrevista concedida no dia 19 de janeiro de 2022.

Uma pesquisa no YouTube direcionou a uma transmissão ao vivo da entrevista de Lula. A partir do minuto 44, o petista falou que gostaria de ser candidato de um movimento que representasse o povo brasileiro e usou o termo "golpe na urna" em menção à possível derrota de seu adversário.

"Eu não quero ser um candidato do PT, o PT é o meu partido, mas eu quero ser candidato de um movimento que esteja disposto a resgatar a defesa do povo brasileiro, a dignidade do nosso povo e o direito dele ser feliz e viver dignamente. É esse movimento que vai restabelecer a democracia, é esse movimento que vai dar um golpe no Bolsonaro, é um golpe na urna, não é um golpe militar, é um golpe na urna e esse negócio dele ficar bravo, dizer que não sabe se vai entregar, que não sabe se vai aceitar, que vai ter Capitólio, não. Ele, calminho, calminho, pode até sair pela porta do fundo como Figueiredo, mas quem ganhar vai tomar posse e vai presidir esse país", disse ele.

Uma nova pesquisa no Google pelas palavras-chave "Lula Bolsonaro sofrer golpe" não identificou notícias sobre uma suposta confissão sua de fraude nas urnas. Dentre os resultados, havia um texto do UOL que retrata uma declaração semelhante à viral, em que Lula usou a expressão "golpe do povo" para se referir à possível derrota de Bolsonaro. A afirmação foi feita em Juiz de Fora (MG) em 2 de outubro deste ano:

"Bolsonaro fala em golpe todo dia. Ele vai ver o golpe, vai sofrer. Dia 2 de outubro o povo brasileiro vai dar um golpe no autoritarismo dele e vai reestabelecer a democracia nesse país. Vai ser o primeiro golpe democrático e popular. Um golpe sem fuzil, sem metralhadora, é o golpe da eleição democrática", afirmou Lula.

Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT) cumprimentando o ministro Alexandre de Moraes em sua posse como presidente do TSE em Brasília, em 16 de agosto de 2022 (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)
Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT) cumprimentando o ministro Alexandre de Moraes em sua posse como presidente do TSE em Brasília, em 16 de agosto de 2022 (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)

O trecho final da gravação que circula nas redes mostra ainda um vídeo do ministro Alexandre de Moraes cumprimentando Lula e outras figuras políticas da esquerda e alega que o magistrado teria ordenado a retirada daquele vídeo do ar. O registro em questão foi feito na posse de Moraes como presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), conforme o cenário semelhante da imagem acima evidencia. Mas não foram encontradas notícias sobre uma suposta decisão de Moraes para excluir da internet qualquer gravação de sua posse.

Há indícios de fraude nas eleições?

É falso que qualquer fraude nas urnas tenha sido comprovada. Ao contrário, instituições que atuaram como observadores nas eleições brasileiras reforçaram a credibilidade do sistema.

Uma delas foi a Uniore (Missão da União Interamericana de Organismos Eleitorais), que não identificou maiores problemas no funcionamento das urnas e considerou a eleição brasileira como exemplar para a América Latina.

O International IDEA (Instituto para a Democracia e Assistência Eleitoral) elogiou a imparcialidade do TSE e ressaltou a confiabilidade das urnas. A instituição defendeu que a democracia brasileira se fortaleceu com o processo eleitoral e classificou os ataques ao funcionamento das urnas como controvérsias "desnecessárias".

O TCU (Tribunal de Contas da União) realizou uma auditoria do sistema eletrônico de votação e não identificou qualquer divergência nas mais de 5 milhões de informações de boletins de urna que analisou.

Conteúdo semelhante foi verificado pelo Reuters Fact Check.