É falso que vídeo gravado por mesária mostre fraude na contabilização de votos

Novo modelo de urna eletrônica (UE2020) em São Paulo, em 29 de setembro de 2022 (Foto: NurPhoto via Getty Images / Cris Faga)
Novo modelo de urna eletrônica (UE2020) em São Paulo, em 29 de setembro de 2022 (Foto: NurPhoto via Getty Images / Cris Faga)

Um vídeo que circula nas redes sociais gravado por uma mesária não identificada se propõe a comprovar uma suposta fraude na contabilização de votos. Segundo a mulher, após um eleitor votar, teria aparecido na tela de seu terminal votos tanto em Jair Bolsonaro (PL) como em Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O conteúdo já ultrapassa 5 mil visualizações no Telegram.

"Como vocês puderam ver aqui, o eleitor foi votar na urna, não estou violando o sigilo de ninguém, e foi votado para duas pessoas, dois presidentes, Lula e Bolsonaro. Foi computado para os dois. Agora, como um eleitor vota em dois presidentes, han? Aí computando voto para um e computando voto para outro. Como que isso acontece, hein, TSE?", questiona a mulher apontando para as informações que aparecem na tela de seu terminal.

A informação, porém, é falsa. A máquina utilizada pelos mesários não mostra a quantidade de votos em cada candidato. O número que ela afirma ser de votos, na verdade, se refere ao reconhecimento da biometria dos eleitores e ao número de cidadãos com biometria cadastrada que compareceram à urna.

Captura de tela de um vídeo em que uma mesária sugere haver fraude, com a urna supostamente contabilizando o voto de um eleitor para os dois candidatos à presidência (Foto: Telegram / Reprodução)
Captura de tela de um vídeo em que uma mesária sugere haver fraude, com a urna supostamente contabilizando o voto de um eleitor para os dois candidatos à presidência (Foto: Telegram / Reprodução)

A informação foi desmentida pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que explicou que "não há nenhuma indicação de qual candidatura a eleitora ou eleitor votou no terminal do mesário".

O Tribunal reforçou que o resultado somente é divulgado após o encerramento da votação, a partir da impressão do Boletim de Urna (BU).

Os números que aparecem na tela em diferentes linhas, na verdade, se referem a:

  • Primeira linha: Relógio

  • Segunda linha: Quantidade de pessoas (com e sem biometria) que compareceram na seção e total de eleitores da seção

  • Terceira linha: Eleitores com biometria cadastrada que não tiveram a digital reconhecida e eleitores com digital cadastrada que compareceram à seção

Detalhamento das informações exibidas na tela do terminal do mesário (Foto: TSE / Divulgação)
Detalhamento das informações exibidas na tela do terminal do mesário (Foto: TSE / Divulgação)

Nestas eleições, mensagens desinformativas sobre urnas eletrônicas e autoridades eleitorais foram as que mais viralizaram. O dado é de um levantamento da Palver, empresa de tecnologia que monitora mais de 15 mil grupos públicos de WhatsApp, publicado pela Folha de S. Paulo.

Quais "vulnerabilidades" ameaçam as urnas?

Dentre os questionamentos à segurança dos equipamentos de votação, supostas "vulnerabilidades" foram frequentemente levantadas nas redes sociais. Às vésperas do primeiro turno das eleições, o PL publicou um relatório sobre "vulnerabilidades relevantes" das urnas eletrônicas.

Contudo, as hipóteses já haviam sido afastadas anteriormente por especialistas. Em agosto, por exemplo, engenheiros da USP (Universidade de São Paulo), após meses de testes de segurança, concluíram que não há vulnerabilidades nos equipamentos de votação.

Confira a apuração completa do Yahoo! Notícias que explica por que as urnas eletrônicas são confiáveis.