É possível voltar a usar a camisa verde e amarela do Brasil?

Hoje entendemos a camiseta verde e amarela do Brasil como algo da extrema-direita, mas, em tempos de Copa do Mundo, a bandeira pode ser ressignificada. (Foto: REUTERS/Suhaib Salem)
Hoje entendemos a camiseta verde e amarela do Brasil como algo da extrema-direita, mas, em tempos de Copa do Mundo, a bandeira pode ser ressignificada. (Foto: REUTERS/Suhaib Salem)

O primeiro jogo da Seleção Brasileira pela Copa do Mundo é nesta quinta-feira (24) e tem gente que ainda tem receio de usar a camiseta verde e amarela do Brasil. Meus amigos, para usar a palavra da moda, símbolos são feitos para serem ressignificados.

O verde e amarelo da bandeira já estiveram muito associados (e esse é o motivo das cores) às nossas matas (essas já eram) e ao ouro. Mas também já foram símbolos da ditadura militar quando o nacionalismo exacerbado era utilizado para manter os meios dominantes.

Certamente um dos exemplos que melhor exprimem o processo de ressignificação dos símbolos nacionais, durante o regime militar, foi o uso do slogan “Brasil, Ame-o ou Deixe-o”, no governo do presidente Médici (1969 – 1974).

Acompanhado pela imagem da bandeira nacional, a frase tinha um forte significado ideológico implícito e que pode ser lido seguinte forma: quem apóia o regime conservador, militar, tem o direito de permanecer no seu país; quem discorda deve sair, ser exilado (a), torturado entre outras barbáries por pensar diferente da ideologia dominante.

O verde e amarelo eram símbolos fortíssimos desse governo.

Já no início dos anos 90 foi muito associado ao movimento Diretas Já e posteriormente aos caras pintadas do governo Fernando Collor de Mello.

E nesses últimos anos o verde e amarelo foram alvo de uma campanha por parte de uma direita política mais identificada com o presidente Jair Bolsonaro.

E o consumo é cultural.

A suástica não virou símbolo nazista da noite para o dia, ela foi incrustada nas fardas, nos cartazes, na mídia. É todo um processo de...ressignificação, nesse caso, deliberado.

Por exemplo, quando o movimento que até então era LGBT escolheu o arco-íris para ser seu símbolo isso causou indignação em muitos religiosos, pois o arco-íris era visto como um exemplo da ligação com Deus.

A própria cruz tem vários significados. O crucifixo se tornou símbolo do cristianismo após esta religião ser a admitida como oficial no Império Romano regido pelo imperador Constantino, no século III.

Mas a cruz quadrada foi encontrada por arqueólogos em regiões primitivas da América Central. Pode representar os quatro elementos: ar, fogo, água e terra. A Cruz latina com as extremidades pontiagudas na tradição cristã, representa o sofrimento de Jesus Cristo na sua crucificação.

O ponto é que o homem nunca percebe plenamente as coisas ou as entende por completo. Ele pode ver, ouvir, tocar e provar. Mas a que distância consegue ver, o quanto consegue ouvir e o quanto significa o que toca e prova são outros quinhentos. E isso muda tudo.

Hoje entendemos a camiseta brasileira como algo aliado a uma extrema-direita, mas eu acredito que em tempos de Copa do Mundo, a bandeira possa ser ressignificada novamente.

O princípio básico da política, já dizia Carl Schmitt, é a relação amigo-inimigo onde o outro é aniquilado. O princípio do esporte é a noção de adversários onde o outro é combatido. Em poucos momentos da nossa história vemos tantos exemplos de superação e empatia quanto em Copa do Mundo ou Olimpíadas.

E tudo é político.

Deixar de saborear um momento tão especial como uma Copa por causa de uma simbologia utilizada claramente para aniquilar o outro é ceder às tentativas dominante de uma, hoje comprovada, minoria. Barulhenta, mas ainda minoria numericamente.

E, lembrando apenas, que essa guerra não foi feita somente com a atuação da direita. O objetivo desse texto não é relembrar o disparate dessas eleições entre esquerda e direita, mas sim fazer entender que os momentos são diferentes e que existe um processo de transformação simbólico.

Seria uma bobagem não usar a camisa da seleção. É como nunca mais usar uma roupa com estrela por causa do PT.

Política é importante na nossa vida, mas não vamos deixar que essa estratégia sofisticada de nos dividir entre patriotas e não patriotas.

Valorize o que sempre tivemos de tão belo aos olhos do mundo: o poder de torcermos e fazermos barulho por esse país tão castigado justamente por esses que nos dividem.

Que possamos nós, torcedores, ressignificar essa parte da história e que o ufanismo ligado a ela seja nota de rodapé na história.