É um crime que coloca em risco a vida das pessoas, diz advogada sobre vazamento de ‘lista antifascista’

Alma Preta
·4 minuto de leitura
Informações pessoais de pessoas descritas como contrárias ao fascismo foram divulgadas pelo deputado Douglas Garcia (PSL-SP) nas redes sociais.
Informações pessoais de pessoas descritas como contrárias ao fascismo foram divulgadas pelo deputado Douglas Garcia (PSL-SP) nas redes sociais.

Texto: Isabela Alves | Edição: Nataly Simões

O vazamento de uma lista de aproximadamente 1.000 páginas, com nome, endereço, CPF e local de trabalho de pessoas descritas como antifascistas feito nas redes sociais do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) é um crime que expõe a integridade das pessoas, de acordo com advogada Sheila de Carvalho, integrante da Coalizão Negra Por Direitos.

“O que o deputado Douglas Garcia fez foi um ato criminoso. Nós temos indícios muito fortes de que foi ele quem expôs a lista, com pessoas que ele considera antifascistas. Isso coloca em risco a vida e a integridade, sem contar a violação aos dados pessoais, direito ao sigilo e privacidade”, conta ao Alma Preta a advogada e membra da coalizão que reúne mais de 150 movimentos antirracistas.

A lista em questão foi publicada no dia 3 de junho, um dia após o deputado do PSL publicar em sua conta no Twitter um pedido para que seus seguidores enviassem por e-mail informações sobre pessoas autodeclaradas contrárias ao fascismo.

No mesmo dia, Douglas Garcia confirmou o envolvimento de Eduardo Bolsonaro e Gil Diniz na elaboração da lista com informações das pessoas descritas por ele como “criminosas” e “terroristas”. Segundo o deputado estadual, ele não é o autor do vazamento da lista e estava recolhendo as informações para enviar à embaixada dos Estados Unidos no Brasil como forma de barrar a entrada das pessoas autodeclaradas como antifascistas no país norte-americano.

Garcia seguiu a orientação de Donald Trump, de criminalização dos movimentos antifascistas, que têm se mobilizado nos EUA contra o assassinato de George Floyd, um homem negro morto asfixiado por um policial na cidade de Minneapolis, no final de maio.

A advogada Sheila Carvalho considera que Douglas Garcia estaria usando sua “milícia digital” e o “gabinete do crime” para realizar uma espécie de dossiê. “O gabinete do crime, que compõem o governo Bolsonaro, atua muito bem através de uma milícia digitalizada que persegue pessoas. Então, o vazamento dessas informações tem uma finalidade clara: de colocar a milícia digital na perseguição desses indivíduos, além de trazer um risco a sua integridade física e segurança pessoal”, pontua.

“Nós, advogados pela democracia, em defesa dos direitos humanos e das militâncias sociais temos recomendado o não compartilhamento dessa lista. Os indícios de conexão é que há um vídeo no Twitter em que ele mostra uma lista muito similar a que foi divulgada. Essas são as nossas conexões, que demonstram o que precisamos trazer para a responsabilidade dele”, acrescenta Sheila.

Organizações do movimento negro elaboram uma peça cível e penal contra o deputado Douglas Garcia para amparar as pessoas atingidas pela violação de direitos do vazamento das informações. A peça civil é uma petição usada pelo advogado para sistematizar os fatos denunciados. A notícia crime, por sua vez, é um documento que comunica um crime a autoridade, com detalhes sobre o ocorrido. A partir da semana que vem, os documentos serão disponibilizados no site da Coalizão Negra Por Direitos.

Segurança cibernética

Após o vazamento das informações pessoais de cidadãos e cidadãs, representantes da Bancada Ativista da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), as deputadas Monica Seixas e Isa Penna, ambas do PSOL, protocolaram um pedido de cassação do mandato de Douglas Garcia. Organizações do movimento negro e outras frentes políticas também elaboraram um manual de segurança cibernética para auxiliar as pessoas cujo nomes foram citados no dossiê. O manual contém informações como a importância do uso de verificações em dois fatores no aplicativo de mensagens WhatsApp.

Sheila Carvalho destaca que entre os procedimentos de segurança também está a necessidade de denunciar judicialmente o deputado Douglas Garcia. “As pessoas ques estão na lista podem realizar o boletim de ocorrência, pois tiveram seus direitos violados e estão em posição de ameaça”, explica a advogada.

O Alma Preta procurou Douglas Garcia para ouvir a versão do deputado estadual sobre os fatos. Até a publicação deste texto, o parlamentar não respondeu aos questionamento da reportagem.