Eclipse, superlua, chuva de meteoros: conheça o calendário astronômico de 2021

Raphaela Ramos
·7 minuto de leitura

RIO — Eclipses, superluas, chuvas de meteoros, oposição e conjunção de planetas são fenômenos que vão marcar o calendário astronômico de 2021. Alguns poderão ser observados a olho nu ou com auxílio de binóculos, enquanto outros apenas com uso de telescópios ou em regiões específicas do planeta. O primeiro evento do ano foi a chuva de meteoros Quadrântidas, que pôde ser observada no último domingo (3), com chances de visibilidade apenas para as regiões Norte e Nordeste do Brasil.

Daniel Mello, astrônomo e coordenador de Extensão do Observatório do Valongo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), explica que esse fenômeno é caracterizado pelos momentos de maior fluxo de meteoroides em queda na alta atmosfera da Terra, produzindo meteoros — também chamados de estrelas cadentes — que ficam visíveis durante a noite em determinada região do céu. A maioria das chuvas de meteoros têm origem a partir de restos de cometas, ele afirma.

Já a popular superlua ocorre quando, na fase nova ou cheia, ela está em seu ponto de menor distanciamento da Terra:

— Geralmente o termo é mais utilizado para a Lua cheia que, devido ao fato de estar mais próxima da Terra nessa ocasião, tem brilho levemente maior que as outras Luas cheias que ocorrem durante o ano — afirma o astrônomo.

Mello também explica que existem dois principais tipos de eclipses: o lunar e o solar. O primeiro ocorre no momento em que a Terra fica posicionada entre o Sol e a Lua, e projeta nesta última sua sombra.

— Os eclipses lunares podem ser totais, quando a Lua é completamente encoberta pela sombra da Terra, ou parciais, quando apenas parte da sombra terrestre é projetada nela. Há ainda o eclipse lunar penumbral, em que a Lua é levemente obscurecida pela borda da sombra da Terra, mas ele não é detectado facilmente — afirma.

O eclipse solar, por sua vez, ocorre quando a Lua fica entre o Sol e a Terra, e projeta sobre o planeta sua sombra, produzindo o eclipse, que também pode ser total ou parcial.

Outros fenômenos que poderão ser observados em 2021 são a conjunção e a oposição de planetas. O primeiro ocorre quando dois astros aparecem alinhados ou bem próximos um do outro, do ponto de vista da Terra. Já o segundo acontece quando um planeta está em posição oposta ao Sol, quando observado da Terra.

— Em outras palavras, a oposição indica que o planeta está a 180º da posição solar. O período próximo da oposição é o mais indicado para a observação dos planetas e outros objetos externos à órbita da Terra — afirma Mello.

Para quem gosta de observar o céu, o Observatório do Valongo da UFRJ criou, durante a pandemia, o projeto "Astronomia através da janela". A iniciativa oferece dicas para explorar o universo de sua casa, e os interessados podem enviar suas imagens astronômicas, que são analisadas, recebem um texto descritivo e são publicadas no site do observatório.

Confira os principais eventos astronômicos de 2021, com indicação de como podem ser observados, segundo o astrônomo Daniel Mello:

Março

3 de março — Encontro de Marte com o aglomerado de estrelas Plêiades na direção oeste, por volta de 20h

9 e 10 de março — Conjunção quádrupla entre Mercúrio, Júpiter, Saturno e a Lua. O fenômeno poderá ser observado a olho nu na direção leste por volta das 5h

Abril

22 de abril — Chuva de meteoros Líridas. Poderá ser visível em todo o Brasil na direção norte, com melhores chances para as regiões Norte e Nordeste, a partir de 1h

26 de abril — Superlua. A Lua estará posicionada na constelação de Virgem e poderá ser vista durante toda a noite

Maio

4 de maio — Chuva de meteoros Eta Aquarídeos. Poderá ser visível em todo o Brasil na direção leste, a partir de 2h. A Lua estará em Aquário, e as melhores chances de observação serão em locais afastados das grandes cidades

26 de maio — Superlua das "flores". Poderá ser vista durante toda a noite. A lua estará posicionada na constelação de Escorpião, ao lado da estrela Antares

26 de maio — Eclipse lunar. Será visível como eclipse total na Nova Zelândia, parte da Austrália, Oceania, extremo Alasca e Antártida. No Brasil, ocorrerá eclipse lunar parcial nos estados da região Sul, e alguns estados das regiões Norte e Centro-Oeste. Nos demais, o eclipse será penumbral

Junho

10 de junho — Eclipse anular do sol. Visível no Canadá, Groenlândia, extremo ártico e extremo nordeste da Rússia, mas invisível no Brasil

Julho

12 e 13 de julho — Para todo o Brasil, Vênus e Marte serão as atrações do começo da noite. Após o pôr do Sol, na direção oeste, eles estarão bem "próximos" um do outro. No dia 12, a Lua também estará próxima, deixando a visão ainda mais interessante e, para os moradores do Rio de Janeiro, a Estação Espacial Internacional irá cruzar o céu bem próxima dos três astros, produzindo um belo fenômeno para observação e fotografia astronômica. Já no dia 13, ocorre a conjunção entre os dois planetas. A dica para ver tudo isso é procurar um local com horizonte oeste livre

27 e 28 de julho — Chuva de meteoros Delta-Aquarídeos. Poderá ser visível em todo o Brasil na direção leste, a partir das 22h do dia 27. A Lua estará em Aquári,o e as melhores chances de observação serão em locais afastados das grandes cidades

Agosto

2 de agosto — Oposição em Saturno. Melhor data anual para observação de Saturno, que poderá ser visto a olho nu de todo o Brasil durante a noite. O planeta estará na constelação de Capricórnio

12 de agosto — Chuva de meteoros Perseidas. Segunda chuva de meteoros mais intensa do ano. Poderá ser vista em todo o Brasil na direção norte, com melhores chances para regiões Norte e Nordeste, a partir de 3h

18 de agosto — Conjunção entre Marte e Mercúrio. Poderá ser vista em todo o Brasil na direção oeste no começo da noite, por volta de 18h. Os planetas estarão bem “próximos” e poderão ser vistos a olho nu ou com binóculos

19 de agosto — Oposição em Júpiter. Melhor data anual para observação de Júpiter, que poderá ser visto a olho nu de todo o Brasil, durante toda a noite. O planeta estará na constelação de Aquário

Setembro

14 de setembro — Oposição em Netuno. Melhor data anual para observação de Netuno, que poderá ser visto durante toda a noite, mas apenas com uso de telescópios em locais afastados das grandes cidades. O planeta estará na constelação de Aquário

Outubro

7 de outubro — Chuva de meteoros Draconídeos. Visibilidade muito difícil para o Brasil. Chances apenas para as regiões Norte e Nordeste, que poderão observar alguns meteoros no começo da noite, na direção noroeste

16 de outubro — Encontro de Vênus com a estrela Antares. Poderão ser vistos no começo da noite, às 20h, na direção oeste

21 de outubro — Chuva de meteoros Orionidas. Poderá ser visível em todo o Brasil na direção leste, a partir de 22h do dia 21. A Lua estará em Touro, e as melhores chances de observação serão em locais afastados das grandes cidades

Novembro

4 de novembro — Oposição em Urano. Melhor data anual para observação de Urano, que poderá ser visto durante toda a noite, mas apenas com uso de binóculos e telescópios, em locais afastados das grandes cidades. O planeta estará na constelação de Áries

17 de novembro — Chuva de meteoros Leônidas. Poderá ser vista em todo o Brasil na direção leste, a partir de 2h

19 de novembro — Eclipse lunar parcial. Será visível nas Américas, Oceania, Austrália, China, Japão, extremo oriental do sudeste asiático e nordeste da Rússia. No Brasil, poderá ser visto em todo o território, com melhores chances para os moradores da região Norte

Dezembro

4 de dezembro — Eclipse solar. Visível apenas na Antártida e Atlântico Sul, será invisível no Brasil

13 e 14 de dezembro — Chuva de meteoros Geminidas. Mais intensa chuva de meteoros do ano. Poderá ser vista em todo o Brasil, com melhores chances para as regiões Norte e Nordeste, na direção nordeste, a partir de 21h, sendo visível durante toda a madrugada do dia 14

22 de dezembro — Chuva de meteoros Ursidas. Visibilidade muito difícil para o Brasil. Chances apenas para as regiões Norte e Nordeste, que poderão observar alguns meteoros desta chuva durante a madrugada, na direção norte