Economia global mostra primeiros sinais de recuperação

Richard Miller, Fergal O'Brien e Michelle Jamrisko
1 / 2

Economia global mostra primeiros sinais de recuperação

(Bloomberg) -- Lentamente, mas em meio à incerteza, a economia mundial emerge da hibernação imposta pelo coronavírus.

Como governos relaxam medidas que fecharam empresas e permitem que consumidores viajem e comprem novamente, indicadores de dados de alta frequência e confiança sugerem cada vez mais que a pior recessão global desde a Grande Depressão atingiu um piso.

Segundo um novo conjunto de indicadores de atividade diária da Bloomberg Economics, quase todas as economias monitoradas registraram retomada da atividade desde o fim de março e início de abril, embora nenhum país ainda esteja próximo dos níveis pré-vírus. Alemanha, Japão e França estão entre os que mais recuperam, enquanto a atividade na Espanha e Reino Unido continua relativamente fraca.

Um legado de maior desemprego, falências e temores relacionados à saúde também indica que a retomada deve ser lenta após o impulso inicial. Uma recuperação completa é improvável antes da descoberta de uma vacina. Ainda existe o risco de que o vírus provoque uma segunda onda, obrigando que restrições sejam impostas novamente.

“No geral, a situação está melhorando, mas é um processo lento”, disse Torsten Slok, economista-chefe do Deutsche Bank Securities, em entrevista à Bloomberg Television. “Estamos no fundo do desfiladeiro e olhando para cima.”

Formuladores de políticas trabalham para dar impulso à subida com mais estímulos econômicos. Na quarta-feira, o Japão anunciou mais de US$ 1 trilhão em auxílio extra para famílias e empresas, enquanto a Comissão Europeia lançou um pacote de 750 bilhões de euros (US$ 825 bilhões) para ajudar as economias mais atingidas do continente.Os investidores, por sua vez, mostram sinais de confiança. As bolsas europeias subiam na quinta-feira, e os mercados avançaram na maior parte da Ásia, pois sinais contínuos de reabertura das economias contrastam com o aumento das tensões China-EUA sobre Hong Kong.

Na China, o epicentro original do vírus, os primeiros indicadores de maio sugerem que a recuperação continua. Os índices oficiais dos gerentes de compras devem mostrar avanço, com forte retomada do setor de serviços, de acordo com a Bloomberg Economics.

Painel de dados de alta frequência nos EUA

Nos EUA, alguns sinais são evidentes. A maioria dos indicadores do mais recente painel semanal da Bloomberg Economics de dados de alta frequência, alternativos e baseados no mercado, mostra uma leve, mas constante melhora em relação a níveis extremamente baixos. Os dados incluem pedidos de seguro-desemprego, solicitações de hipotecas e viagens aéreas e em transporte público. Viagens aéreas e reservas em restaurantes também estão aumentando, embora ainda estejam muito abaixo dos picos.

Europa

Quanto à Europa, o relaxamento das restrições também permite a recuperação das economias. As lojas começam a reabrir, assim como restaurantes em muitos países, e dados de alta frequência que medem desde a mobilidade das pessoas a reservas de restaurantes mostram o início de uma retomada.

Alguns indicadores de confiança e atividade também se estabilizaram após queda nos dois meses anteriores, reforçando a ideia de que a economia da zona do euro está no auge da crise.

Na quinta-feira, o índice de confiança divulgado pela Comissão Europeia mostrou pequena melhora em maio.

No Reino Unido, junho será um mês importante. As escolas terão permissão para reabrir, e há um cronograma para a reabertura de lojas após dois meses difíceis. Mas será um avanço cauteloso. O Reino Unido ultrapassou a Itália e a Espanha em casos de vírus e tem o maior número de mortes na Europa.

Apesar da retomada da atividade, a maioria dos economistas descarta a ideia de recuperação em forma de V.“Existe divergência entre Wall Street e a ‘Main Street’, disse Nouriel Roubini, professor da NYU Stern School of Business, à Bloomberg Television, em referência ao contraste entre as perspectivas do mercado financeiro e a realidade das empresas. “A recuperação será anêmica. Algo como um U.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.