Economia do Peru cresce 3,47% em novembro, mas mineração cai em meio a protestos

·1 min de leitura

LIMA (Reuters) - A economia peruana cresceu 3,47% em novembro na comparação anual, a menor taxa desde março, disse o governo neste sábado, citando um avanço no consumo que foi compensado por uma queda no setor de mineração assolado por protestos ambientais.

Em novembro de 2020, a economia do segundo maior produtor de cobre do mundo caiu 2,08%, quando o Peru ainda estava sentindo os estragos do lockdown do coronavírus.

Em 2021, algumas operações de mineração foram severamente interrompidas por protestos de cidadãos que alegavam que as comunidades próximas às minas estavam sofrendo danos ambientais, ao mesmo tempo em que não se beneficiavam suficientemente do setor.

A agência oficial de estatísticas INEI informou em comunicado que a economia cresceu 14,68% nos primeiros 11 meses de 2021.

O setor de mineração e hidrocarbonetos, fundamental para a economia peruana por representar 60% de suas exportações, caiu 5,29% em novembro na comparação anual, basicamente devido à menor produção de cobre, zinco, ferro e chumbo, informou a agência de estatísticas.

A economia do Peru afundou 11,1% em 2020, uma das piores contrações da América Latina por conta de restrições rígidas destinadas a combater a pandemia. No ano de 2021, a economia cresceu 13,2%, segundo estimativas oficiais.

(Reportagem de Marco Aquino)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos