Editora cancela lançamento de livro de republicano que liderou objeções à vitória de Biden

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A editora Simon & Schuster anunciou nesta quinta-feira (7) o cancelamento da publicação do livro "The Tyranny of Big Tech" (em tradução livre, A Tirania das Big Tech), do senador Josh Hawley, sob a justificativa de que não pode mais apoiar o republicano "após seu papel no que se tornou uma ameaça perigosa à democracia e à liberdade" dos Estados Unidos. Congressista pelo Missouri, Hawley foi o primeiro, em 30 de dezembro, a anunciar planos de contestar os resultados do Colégio Eleitoral e liderava o movimento dentro do Partido Republicano. Nesta quarta (6), a sessão conjunta do Congresso para certificar a vitória de Joe Biden nas eleições foi interrompida após apoiadores de Donald Trump invadirem o Capitólio. Insuflados pelo presidente, eles vandalizaram o local. Ao menos quatro pessoas morreram nos tumultos na capital do país, Washington. "Isso não poderia ser mais 'orwelliano' [referência ao escritor britânico George Orwell, autor da distopia '1984']. A Simon & Schuster está cancelando meu contrato porque eu estava representando meus eleitores, conduzindo um debate no plenário do Senado sobre a integridade das eleições", rebateu o congressista em rede social. Hawley disse ainda que a decisão é um "ataque direto à 1ª Emenda constitucional", que garante liberdade de expressão, e que irá à Justiça. "Vou lutar contra essa cultura do cancelamento com tudo o que tenho." A editora descreveu o episódio em Washington como uma "perturbadora e mortal insurreição", mas que, ainda assim, a decisão de quebrar o contrato não foi fácil. "Como editora, nossa missão sempre será amplificar uma variedade de vozes e pontos de vista, mas, ao mesmo tempo, levamos a sério nossa maior responsabilidade pública como cidadãos", afirmou a editora no comunicado.