Eduardo Bolsonaro diz que brasileiros ilegais nos EUA são 'vergonha’

Eduardo Bolsonaro é o presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. (Foto: Reprodução/TV Globo)

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente Jair Bolsonaro, declarou que os brasileiros que vivem ilegalmente no exterior são uma “vergonha”, durante a visita oficial aos Estados Unidos. Ele defende a exigência de visto para brasileiros que queiram ir aos EUA mesmo sem o governo norte-americano ser recíproco na questão.

As informações são da revista Veja.

“Um brasileiro ilegalmente fora do país é um problema do Brasil, isso é vergonha nossa, para a gente. Um brasileiro que vai para o exterior e comete qualquer tipo de delito, eu me sinto envergonhado”, afirmou o deputado, em Washington, no sábado (16). Eduardo é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Eduardo comentou o fato de os Estados Unidos não oferecerem reciprocidade ao Brasil, em relação a isenção do visto para entrar no país. O deputado justificou que a liberação pode aumentar o número de brasileiros ilegais vivendo no país governado por Donald Trump.

“A pergunta que eu faço é o seguinte: quantos americanos vão aproveitar essa brecha e vir morar ilegalmente no Brasil? Agora vamos fazer a pergunta contrária: se os EUA permitirem que brasileiros entrem lá sem visto, quantos brasileiros vão para os Estados Unidos, sem visto, se passando por turista, e vão passar a viver ilegalmente aqui?”, justificou.

Leia mais
Mercado reduz projeção de crescimento da economia

“Será que estou falando algum absurdo em dizer que, sem a necessidade de um visto, várias pessoas entrariam nos EUA de maneira ilegal e ilegalmente permaneceriam lá? Eu acredito que não”, emendou o deputado e filho do presidente.

O deputado falou também sobre as expectativas do encontro entre os dois presidentes, marcado para terça-feira (19). “Tanto Trump como Jair Bolsonaro pisam fora do politicamente correto e isso é algo que atrai muito a simpatia das pessoas e são duas pessoas carismáticas. Vai ser um encontro bem descontraído, acho que em pouco tempo eles vão se sentir confortáveis e ter uma conversa franca e aberta. E além disso é uma aproximação que há tempos a gente não via entre os presidentes dos dois países”, acrescentou Eduardo.

Em relação a aproximação como articulista Bannon, demitido da Casa Branca e já foi chamado de traidor por Trump, o parlamentar assegurou que a relação não deve prejudicar a relação com o governo americano.