Eduardo Bolsonaro rejeita acordo com a PGR em processo por ameaça

Eduardo Bolsonaro. Foto: Bruno Castilho/Futura Press

Filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que rejeita acordo proposto pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em processo que apura denúncia contra ele por ter supostamente ameaçado a jornalista Patrícia Lellis.  O acordo rejeitado pelo deputado federal previa o pagamento de uma multa e prestação de serviços à comunidade.

A defesa de Eduardo Bolsonaro reafirmou sua inocência e pediu um prazo para responder à acusação. “Eduardo Nantes Bolsonaro vem à Vossa Excelência informar que não aceita a proposta de transação penal formulada pela Procuradoria-Geral da República, pois é inocente das acusações que lhe foram feitas — aguardando a abertura de prazo para o oferecimento de resposta”, diz representação dos advogados.

Posse de Bolsonaro será às 15h de 1º de janeiro, diz Eunício
Bolsonaro diz que ministros com acusações contundentes deverão deixar governo
Com eleição de Bolsonaro, Cuba anuncia fim da parceria com Brasil no Mais Médicos

Eduardo Bolsonaro foi denunciado em abril deste ano pela PGR por ter supostamente enviado ameaças à jornalista Patrícia Lellis por meio do aplicativo de troca de mensagens Telegram. O crime pelo qual Eduardo Bolsonaro é acusado é o de ameaça por palavra ou gesto.

Conforme o relato de Patrícia Lellis, Eduardo Bolsonaro envio uma série de ameaças e palavras de baixo calão. A operadora de telefonia Claro informou que o número que trocou mensagem com a jornalista era o mesmo do deputado.