Eduardo Bolsonaro terá que pagar multa de R$ 113 mil por não usar máscara em SP

Infrações foram cometidas em 2021, quando o item era obrigatório

Eduardo Bolsonaro terá que pagar multa por não ter usado máscara em SP (REUTERS/Henry Romero)
Eduardo Bolsonaro terá que pagar multa por não ter usado máscara em SP

(REUTERS/Henry Romero)

  • Eduardo Bolsonaro terá que pagar duas multas por não usar máscara contra Covid-19;

  • As punições, somadas, totalizam R$ 113 mil, mais 10% para cobrir o pagamento de advogados;

  • Eduardo foi multado quando visitou o interior paulista em 2021 e se recusou a usar o item de proteção.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL) terá que pagar duas multas por não ter usado máscara de proteção contra a Covid-19 ao visitar cidades paulistas. A determinação da Justiça de São Paulo fixa prazo de cinco dias.

  • Somadas, as punições totalizam R$ 113 mil;

  • Ambas as infrações foram cometidas em 15 de dezembro de 2021;

  • Na época, o uso do item de proteção era obrigatório no estado.

  • Eduardo terá que desembolsar mais 10% para cobrir o pagamento dos advogados.

O filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) estava em visita a Eldorado e Iporanga, no interior paulista, quando se recusou a usar máscara.

A decisão é das juízas Ana Maria Brugin e Roberta de Moraes Prado, que acataram um pedido da PGE (Procuradoria-Geral do Estado). O órgão, vinculado ao governo de São Paulo, indicou que Eduardo pode garantir o pagamento sob pena de penhora de bens até quitar completamente a dívida.

As duas multas já estavam inscritas na dívida ativa do estado.

Jair Bolsonaro multado

O ex-presidente também recebeu multas por se recusar a usar máscara em São Paulo. Na ocasião, a gestão era de João Doria, desafeto político de Bolsonaro.

Por não ter pagado, assim como o filho, ele foi inscrito na dívida ativa do estado, em maio do ano passado.

No passado, a defesa do político pediu à Justiça que cancelasse as multa de R$ 43,6 mil, decorrente da realização de eventos em Iporanga e Eldorado no auge da pandemia – o que culminou na reunião de uma multidão.

O Tribunal de Justiça de São Paulo, no entanto, negou o pedido de liminar.