Janaína Paschoal dispara contra Eduardo e Carlos Bolsonaro

Ueslei Marcelino/Reuters

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Paschoal acredita que, se quisesse, Bolsonaro conseguiria acabar com a crise do PSL.

  • “O problema é que o Carlos, às vezes, faz postagens nas redes do pai e ninguém sabe se é o Carlos ou o presidente. Teria que partir do Carlos fazer essa separação. Pode ser estratégia, mas já cansou.”

Quase candidata a vice na chapa que elegeu Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência, a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) disse em entrevista à revista Época ainda ser cedo para avaliar se há chances de reeleição para o ex-capitão.

À jornalista Naomi Matsui, do blog de Guilherme Amado, da Época, a parlamentar ainda disse ter alertado o presidente sobre o clima ruim no PSL já durante a campanha e avaliou que as publicações de Carlos Bolsonaro no perfil do pai já cansaram. Deputado federal e também filho do presidente, Eduardo Bolsonaro foi classificado por Janaina como alguém que ainda é “muito imaturo”.

Leia também

Indagada se a crise no PSL veio antes do que se imaginava, Janaina disse ter alertado o ainda candidato durante a campanha.

“Encontrei a comitiva do presidente e achei o clima muito ruim, entre todas as pessoas. O clima estava horrível. Falei: ‘Isso não vai dar certo’. Falei para o presidente, antes do atentado: ‘Você vai rir, mas vamos fazer uma pizza, eu pago a pizza. Porque o clima não está bom. Arruma um lugar grande, porque minha casa é pequena, mas o senhor tem que reunir essa gente e tentar unir essa base. Ninguém conta a verdade para o senhor, mas esse povo está se matando, eles estão se digladiando’. Mas ele ignorou”, afirmou.

Sobre quem seriam supostos maus conselheiros de Bolsonaro, mencionados por ela recentemente, a deputada desconversou: “Não tem um nome em especial, mas me parece que, quando o presidente acirra seu discurso, é muito duro na crítica, o grupo que está perto dele deveria arrefecer esse ânimo, em lugar de instigar”.

Questionada se acredita que Bolsonaro teria intenção de fazer uma reconciliação, resumiu: “Não sei. Há líderes que lideram na união e líderes que só lideram no conflito. Normalmente é o líder que tem medo que os liderados se unam contra ele, então prefere os liderados separados do que unidos contra ele. Pelo o que observo, ele tem esse perfil de liderança (de conflito). Tenho dificuldade de achar que isso dá certo”.

Qual é o perfil de Eduardo Bolsonaro? “Ele ainda está muito imaturo. Falo com tristeza, ele tem potencial, é muito querido, ele é uma liderança da direita, mas ele se nega a se aprimorar. Ele é jovem, teria um potencial se ele se abrisse para um aprimoramento. Ele é muito aguerrido nas ideias dele. Isso é mais para o público, porque, pessoalmente, é muito afável, não é o mesmo das redes. Por que tem que criar esse personagem? Esse perfil tão exagerado pode ser um impedimento para o crescimento político dele”, avaliou.

Perguntada sobre se os filhos do presidente mais ajudam ou atrapalham o governo, Janaina disse que pareça que “gostam muito do pai, se esforçam para ajudar”, “eles atrapalham” por conta estratégia de comunicação adotada aos seguidores, nas redes sociais.

Sobre o vereador carioca Carlos Bolsonaro, foi taxativa: “O problema é que o Carlos, às vezes, faz postagens nas redes do pai e ninguém sabe se é o Carlos ou o presidente. Teria que partir do Carlos fazer essa separação. Pode ser estratégia, mas já cansou.”

Se vai apoiar Bolsonaro em 2022? “Depende, vamos ver quem serão os candidatos, as propostas”, resumiu. Sobre Bolsonaro ter ou não capital político para se reeleger, concluiu: “É cedo para avaliar.”