Eduardo Leite reage a fala de Bolsonaro: "A esse cidadão queriam que eu desse boas-vindas?"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O presidente Jair Bolsonaro e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, em junho de 2019
O presidente Jair Bolsonaro e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, em junho de 2019
  • Eduardo Leite reagiu a uma fala com teor homofóbico de Jair Bolsonaro contra ele

  • O presidente apontou para um salame e disse que era do governador do RS, que revelou ser gay

  • A fala preconceituosa foi dita na abertura da Expointer, feira agropecuária realizada em Esteio (RS)

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), reagiu a uma fala com teor homofóbico do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contra ele. Na abertura da 44ª Expointer, feira agropecuária realizada em Esteio, o chefe do Executivo apontou para um salame e disse que era do político gaúcho, que em julho revelou ser homossexual.

"A esse cidadão que queriam que eu desse 'boas-vindas' na Expointer?", indagou Eduardo Leite no Twitter, compartilhando o vídeo do momento em que Bolsonaro profere o comentário preconceituoso.

Leia também

Na última quinta, em visita ao local da feira agropecuária, o governador havia antecipado que não iria recepcionar Bolsonaro no evento. Eduardo Leite se arrependeu de tê-lo apoiado em 2018 e agora se opõe ao presidente, porém não vê ambiente político favorável para a abertura do processo de impeachment.

Na sexta, a Justiça gaúcha condenou o presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, a pagar R$ 300 mil por ofensas homofóbicas contra o governador do Rio Grande do Sul.

O juiz Ramiro Oliveira Cardoso, da 16ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre, acatou a denúncia feita pelo Ministério Público (MP) do RS. A quantia deve ser destinada ao Fundo de Reconstituição dos Bens Lesados, mantido pelo MP.

Segundo reportagem do portal G1, a ação civil pública considerou duas manifestações feitas pelo ex-deputado em março deste ano. Numa delas, nas redes sociais, Jefferson "incitou, de forma chula, o preconceito contra homossexuais, a partir da criação de factoide", considerou o magistrado.

A outra fala foi em uma entrevista a uma emissora de rádio de Porto Alegre. Na avaliação do juiz, o presidente do PTB "induziu e incitou discriminação e preconceito de orientação sexual ao associar à suposta condição de homossexual do governador do estado qualidades negativas".

O magistrado ainda comparou as ofensas ao crime de racismo: "Enquadradas como homofóbicas as falas do demandado, equiparável ao crime de racismo, cumpre indenizar a coletividade atingida". O réu pode recorrer da sentença.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos