Eduardo Leite recua de pensão especial e diz que admitir ser gay não é fácil

ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  22-11-2021, 12h00: O governador do RS Eduardo Leite durante coletiva de imprensa, na sede do partido, antes de uma reunião com a direção do PSDB para avliar soluções para os problemas na votação apresentados durante as prévias do partido, realizadas ontem. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 22-11-2021, 12h00: O governador do RS Eduardo Leite durante coletiva de imprensa, na sede do partido, antes de uma reunião com a direção do PSDB para avliar soluções para os problemas na votação apresentados durante as prévias do partido, realizadas ontem. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Ex-governador e pré-candidato do PSDB outra vez no Rio Grande do Sul, Eduardo Leite declarou que vai devolver os cerca de R$ 40 mil recebidos até aqui como pensão temporária após renunciar ao cargo de governador, embora não considere o benefício "imoral ou ilegal."

Leite falou ainda sobre a tentativa de concorrer à Presidência, a polêmica adesão do RS ao regime de recuperação fiscal federal e sobre a experiência de admitir ser homossexual em rede nacional, algo que disse não ser fácil "nem para si próprio".

As declarações foram feitas nesta segunda-feira (20) durante a sabatina Folha de S.Paulo/UOL com pré-candidatos ao Governo do RS.

Depois de dois anos e meio de governo com vitórias significativas na Assembleia e contas em dia no Rio Grande do Sul, Leite deu largada em uma pré-candidatura a presidente da República, primeiramente dentro do seu partido, o PSDB.

Ao perder as prévias para o então governador de São Paulo, João Doria, Leite flertou com o PSD, renunciou ao Governo do RS e ensaiou uma candidatura paralela no PSDB contando com a desistência de Doria.

Ao avaliar as idas e vindas da pré-candidatura presidencial, Leite deu a entender que sua derrota fez parte de uma estratégia do partido para manter o Governo de São Paulo e se livrar de João Doria, ainda que ele não fosse um presidenciável viável.

Ao falar sobre a ação movida pelo Partido Novo que contesta R$ 40 mil recebidos após renunciar ao governo, o tucano disse que abdicará do benefício.

"Acabo de anunciar que estou abrindo mão desse valor. Mas se tratam de ataques maliciosos que enganam a população. Era um recurso da legislação gaúcha disponiblizado para o governador não precisar deixar o governo distribuindo currículos a quem poderia ter algum tipo de interesse", declara.

Leite foi o último pré-candidato ao Governo do RS entrevistado da série de sabatinas promovida pela Folha e pelo UOL. Antes dele, Edegar Pretto (PT), Vieira da Cunha (PDT), Luis Carlos Heinze (PP), Beto Albuquerque (PSB), Gabriel Souza (MDB) e Onyx Lorenzoni (PL) foram entrevistados.

A sabatina foi conduzida pelos jornalistas Tales Faria, do UOL, e Alexa Salomão, da Folha de S.Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos