Pazuello oficializa "Markinhos Show", hipnólogo e master coach, como assessor especial da Saúde

·2 minuto de leitura
"Markinhos Show" é oficializado como assessor especial do Ministério da Saúde - Foto: Twitter/Reprodução
"Markinhos Show" é oficializado como assessor especial do Ministério da Saúde - Foto: Twitter/Reprodução

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, oficializou nesta quarta-feira, 20, a entrada de Marcos Eraldo Arnoud na pasta. Ele é conhecido como “Markinhos Show” e foi nomeado assessor especial, apesar de já atuar informalmente para o Ministro da Saúde. As informações são do “Estado de S. Paulo".

Pazuello, que é general da ativa, é criticado desde o início da sua gestão por não ser da área da saúde. O militar, no entanto, vem falhando até na área em que supostamente seria sua especialidade: logística.

Leia também

Para tentar amenizar sua relação tensa com a imprensa, Pazuello, que frequentemente dá declarações apontadas como inverídicas, buscou o profissional, que deve receber mais de R$ 13 mil mensais, para ajudar na situação.

Nessa semana o ministro foi duramente criticado por, depois de meses a frente do Ministério da Saúde respaldando a produção e o uso de cloroquina contra a Covid-19, ter dito que nunca havia recomendado tal tratamento. A ciência já comprovou a ineficácia do remédio contra o novo coronavírus.

"Hipnólogo” e “mentalista”

Em seu site, o novo assessor de Pazuello se define como “Palestrante Motivacional, Master Coach, Análista em Neuromarketing, Especialista em Marketing, SEO, Hipnólogo, Mentalista, Practitioner em PNL, Músico, Empreendedor e Especialista em Marketing Político.”

De acordo com o Estadão, Markinhos já participou na tomada de decisões que acabaram dando errado. Ele teria apoiado a ideia de adesivar o avião que iria para a Índia buscar dois milhões de doses prontas de vacina de Oxford/AstraZeneca com slogan da campanha de vacinação brasileira.

Por falta de aval da Índia, que estaria esperando uma ação discreta para evitar críticas internas sobre exportação de vacinas, o avião sequer tem data para decolar.

Markinhos também estaria idealizando o evento que inauguraria a vacinação no país, pensando para acontecer no Palácio do Planalto na última terça-feira (19). A ideia foi frustrada por João Doria (PSDB), rival político de Jair Bolsonaro (sem partido), que inaugurou a vacinação no país já no domingo (17) em São Paulo.

Assim como alguns membros do governo Bolsonaro, Markinhos faz um uso ativo das redes sociais, inclusive defendendo a atuação de Pazuello. Ele defendeu o chefe sobre a crise de falta de oxigênio hospitalar em Manaus, que causou mortes por asfixia de pacientes com Covid-19.

“Com todos esses bilhões que foram para Manaus, não tiveram um centavo para montar uma fábrica de oxigênio em cada hospital? Não sobrou um real para comprar um cilindro? Enfiaram todo esse dinheiro no c...” A corrupção mata! (sic.)”, protestou Markinhos, em uma rede social.