Educação Sexual é 'liberada' em Uganda após decisão de tribunal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Yoweri Museveni
    Yoweri Museveni
    President of Uganda reelected
Educação sexual é tema sensível em país africano; Outdoor expõe informação incorreta e preconceituosa sobre contágio de HIV - Foto: The Economist/Instagram
Educação sexual é tema sensível em país africano; Outdoor expõe informação incorreta e preconceituosa sobre contágio de HIV - Foto: The Economist/Instagram

Um tribunal em Uganda, na África Oriental, suspendeu a proibição da educação sexual no país. Apesar disso, a nova política deve incomodar líderes religiosos, uma vez que há seis anos, em 2016, autoridades ugandesas proibiram todas as formas de educação sexual.

Conforme conta a revista britânica The Economist, conservadores do país acreditavam que livros "eróticos" e "distorcidos" estivessem fazendo uma lavagem cerebral em seus filhos. 

Mas agora, devido a ordem do tribunal, o Ministério da Educação terá de escrever uma nova política sobre como ensinar crianças, adolescentes e jovens sobre sexo.

Porém, esta não será uma tarefa fácil. Isso porque a maior autoridade do país, o presidente, Yoweri Museveni, e a esposa Janet, ministra da Educação, promovem o celibato como a melhor forma de prevenir doenças sexualmente transmissíveis.

Além disso, os dois são contra o uso de preservativos, por acharem que promovem a promiscuidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos