Eficácia de 100% da Coronavac contra casos graves ainda não tem significância estatística, diz diretor do Butantan

ANA BOTTALLO E EVERTON LOPES BATISTA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O resultado de 100% de eficácia da Coronavac contra casos graves de Covid-19, divulgado na semana passada, ainda precisa de mais acompanhamento porque esse número não é estatisticamente significativo, afirmou Ricardo Palacios, diretor médico de pesquisa do Instituto Butantan e responsável pelos testes, em entrevista coletiva nesta terça (12). Para ter significância estatística, é preciso ter um sinal claro de que os casos graves impedidos supostamente pela vacinação são decorrentes do efeito do imunizante, e não do acaso -esses casos não seriam graves de toda forma, sem a aplicação ou não da vacina. No caso dos dados divulgados pelo Instituto Butantan nesta terça-feira (12), não foi reportado nenhum caso de Covid grave no grupo que recebeu a vacina em comparação com o grupo que recebeu placebo, com sete casos reportados. Estatisticamente, isso não atribui à vacina, ainda, a proteção em 100% dos casos graves de Covid-19. A vacina contra a Covid-19 teve ainda eficácia geral de 50,4%. Essa eficácia corresponde a todos os infectados por Sars-CoV-2 no estudo que desenvolveram, tanto de casos leves quanto de moderados e graves de Covid-19. Nesse caso, o poder estatístico corroborou a eficácia, assim como para proteção nos casos leves e moderados, de 78%. Apesar de mais baixa do que inicialmente anunciada, a vacina se mostrou segura e com uma eficácia acima do limiar determinado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para aprovação de um imunizante.