Bombardeio da coalizão mata 8 pessoas na província síria de Al Raqqa

Cairo, 29 mar (EFE).- Pelo menos oito pessoas morreram nesta quarta-feira em decorrência de um suposto bombardeio da coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, contra a cidade de Al Mansura, no oeste da província síria de Al Raqqa, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A ONG indicou que a maioria dos mortos são deslocados originais do leste da província vizinha de Aleppo que tinham se transferido anteriormente a essa cidade.

Este ataque acontece pouco depois que pelo menos 35 pessoas morreram em um suposto bombardeio da coalizão na madrugada de 20 para 21 de março contra uma escola que servia de refúgio de deslocados em Al Mansura, de acordo com a apuração do Observatório.

A coalizão oferece cobertura aérea às operações terrestres das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas e que conta com o respaldo de grupos especiais do exército dos EUA no terreno.

Em comunicado, as FSD destacaram que há enfrentamentos entre seus soldados e os jihadistas na estrada que une a cidade de Al Raqqa com Al Tabqa, 54 quilômetros ao oeste.

Também há confrontos nas imediações da base aérea de Al Tabqa, cujo controle as FSD arrebataram dos radicais no domingo.

As FSD asseguraram que "libertaram" hoje a estrada que conecta Al Raqqa com Al Tabqa mas, pouco depois, o EI lançou um ataque para recuperar o terreno perdido.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos confirmou que há combates nas proximidades do aeroporto militar de Al Tabqa e perto da estrada.

As FSD iniciaram em 6 de novembro do ano passado a ofensiva "Ira do Eufrates" para expulsar o EI da província de Al Raqqa, principal reduto dos extremistas na Síria. EFE