Ela começou a correr para perder peso, mas não sabia que isso salvaria sua vida

·4 minuto de leitura
Helen Foster ficou inicialmente com vergonha de ser vista correndo, mas desde então superou seus medos, ela chegou a completar maratonas. (Reprodução: Helen Foster)
Helen Foster ficou inicialmente com vergonha de ser vista correndo, mas desde então superou seus medos, ela chegou a completar maratonas. (Reprodução: Helen Foster)

Dois anos atrás, a autoconfiança de Helen Foster estava no fundo do poço. Mais de 100 kg acima do peso ideal e sofrendo de depressão, a ocupadíssima mãe solteira de cinco filhos de Gargrave, North Yorkshire, não fazia ideia de como sair desse abismo.

"Sofri por anos com minha saúde mental, sentindo-me gorda e feia, negando-me a tirar fotos, mesmo para registrar um momento com meus filhos no colo", conta Foster, de 43 anos, que vive com os gêmeos Oliver e Katie, de 18 anos, o filho do meio Archie, de 13, e os gêmeos Jack e Nancy, de sete anos. "Sofri muito bullying na escola quando jovem e nunca consegui me livrar de verdade do sentimento de que eu não era boa o suficiente."

Leia também 

No Ano Novo de 2019, porém, Foster decidiu assumir um desafio que mudaria sua vida – e até a salvaria.

"Decidi usar o aplicativo Couch to 5k para tentar perder peso, mas eu tinha tanta vergonha de alguém me ver que preferia sair só à noite", conta ela. "Na primeira noite, eu comecei a caminhar por volta das 19h em uma rua pouco movimentada e muito escura, com roupas e acessórios inadequados. Embora estivesse lenta, consegui fazer o percurso."

"Dois dias depois, eu saí novamente, rezando para que ninguém me visse, e estava determinada a me esconder em uma vala se um carro passasse."

Helen Foster, retratada com o cachorro Spud, é quatro pedras mais leve e 100% em forma e mais feliz desde que começou a correr. (Helen Foster)
Helen Foster com o cachorro Spud, sesente mais leve e 100% em forma e mais feliz desde que começou a correr. (Helen Foster)

Agora, ela não se esconde mais. Cem quilos mais magra, em boa forma e muito mais feliz, Foster não só completou percursos de 10 km, fez meias maratonas e maratonas inteiras, e foi até o final do desafio dos três picos de Yorkshire, mas também incentiva mulheres a calçar os tênis e começar sua jornada.

Conhecida como The Running Mom (a mãe corredora) no Facebook e no Instagram (@the_running_mum_), ela posta fotos e stories inspiradores regularmente sobre suas aventuras em North Yorkshire Dales e organiza grupos de corrida para mulheres interessadas em acompanhá-la nas trilhas.

"Correr traz a melhor sensação do mundo. Sou muito sortuda por viver em um dos lugares mais bonitos do planeta — sempre valorizo isso", afirma ela. "Estar na natureza me traz uma paz, junto com a descarga de endorfina que o exercício gera. Não existe sensação igual."

Mas Foster admite que, com a decretação do lockdown e a limitação que ele trouxe para os exercícios, sua saúde mental sofreu um baque de novo.

"No início, a pandemia foi horrorosa", afirma ela. "Eu amo subir montanhas correndo, mas durante o lockdown, não era permitido. Eu me senti cada vez mais deprimida porque não podia fazer o que amo."

"Quando fecharam as escolas, eu chorei muito. Dar aulas às crianças em casa era impossível, foi muito estressante, e eu mergulhei cada vez mais fundo na depressão."

"Chegou um momento em que eu não aguentava mais. Eu saí com o carro, com pensamentos suicidas, e simplesmente dirigi, sem destino", conta Foster. "No fim, liguei para uma linha direta de crise e, em minutos, duas vans policiais chegaram até mim e a polícia me levou para casa."

"Os policiais viram que eu estava sofrendo e, quando eu contei que só precisava sair para correr, disseram-me que eu podia. Contanto que eu não me aglomerasse com outras pessoas, eles não me impediriam. A partir desse dia, fui correr todos os dias, e isso salvou a minha vida."

Agora, Foster corre todos os dias, seu "remédio" contra a ameaça da depressão. A corrida a ajudou a superar a terrível perda do Hoover, seu amado cachorro, e ela espera ajudar as pessoas a perceber como o exercício pode ajudar em momentos sombrios.

"Tomei remédios durante a maior parte da minha vida. Eu odiava, porque me sentia doente e cansada, mas hoje não preciso mais deles", conta ela.

"Médicos deveriam prescrever corrida e ar fresco, porque ajudam de verdade. Nunca serei uma corredora de velocidade, mas isso não importa, porque eu ainda posso me exercitar e sempre me sinto fantástica depois."

"Eu ajudo uma organização de corrida chamada Grim Up North. Sou aquela corredora que acompanha a pessoa no fim da corrida. Meu clube de corrida está indo bem, somos uma mistura de mulheres mais velhas e mães mais jovens, e lá fiz amigas para a vida toda. Gosto muito do fato de eu poder mostrar o Dales para todo mundo."

Helen Foster quer encorajar as pessoas a colocarem seus tênis e irem por aí. (Reprodução: Helen Foster)
Helen Foster quer encorajar as pessoas a colocarem seus tênis e irem por aí. (Reprodução: Helen Foster)

"Meus amigos dizem que veem uma diferença enorme em mim. Estou muito mais positiva agora, e até meu comportamento mudou. Meu objetivo atual é treinar para ser uma personal trainer."

"Antes, eu era a pessoa que nunca queria sair em uma foto e que saía para correr no escuro. Hoje, uso calça legging colorida e brilhante e fico feliz em posar para uma foto correndo ou no topo da montanha."

"Quero mostrar às pessoas que não importa o quanto as coisas estejam ruins, você consegue superar — é só calçar os tênis e sair."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos