Ela tem 6 anos, é fã de e Gilberto Gil e Elis Regina e faz sucesso cantando no Instagram; conheça Heleninha Repertório

Fotos: Rodrigo Roll/Divulgação

Por Vladimir Maluf

Heleninha Repertório, 6 anos, é o nome artístico escolhido por Helena Bougleux. Ela faz sucesso no Instagram cantando música brasileira -- quase todas compostas bem antes de ela nascer. "Repertório não é um monte de músicas, mãe? Então é esse o nome que eu quero".

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Quem conta como foi que ela se batizou é Monique Bougleux, 44, mãe de Helena. A menina já tem mais de 71 mil seguidores, foi convidada para programas de TV e até fez uma campanha de produtos de beleza, chamada "Rainhas Crespas e Cacheadas". "A primeira vez que ela foi na TV, não queria sair do estúdio nem para fazer xixi. Precisei conversar sério com ela."

Leia também

Helena é inteligente, ativa, brincalhona, tem senso de humor e corre pelo salão de festas do prédio onde mora enquanto dá entrevista para o Yahoo!. Além da escola, faz balé, teatro e, suas favoritas, canto e piano. "Eu amo. Ontem foi minha última aula." A mãe complementa dizendo que foi a última aula do ano, não definitivamente. Heleninha logo diz: "Claro, se fosse para sempre eu estava desmaiada neste chão." E e se joga no sofá simulando um desmaio. "Cantar é a coisa que eu mais gosto na vida, lógico. Eu adoro praia, mas eu prefiro sorvete e cantar." 

Teve a fase de Galinha Pintadinha, mas Helena gosta mesmo é de MPB

A família gosta muito de música. "Em casa, ouvíamos as de criança com ela, tipo Galinha Pintadinha, mas, claro, a gente escutava as que gostamos também. Um dia, a Helena pediu para ouvir as minhas músicas, não as dela", conta Monique. Foi aí que ela tomou gosto por cantar e aprender letras complexas. A mãe conta que ela sempre quis entender o que estava cantando, por isso a facilidade de lembrar de tantas músicas. Seus ídolos são Gilberto Gil e Elis Regina. 

Mas a mãe faz questão de dizer que a vontade de cantar sempre foi da Helena. "A gente nunca influenciou nossa filha sobre isso. Ela quis. Ela canta o dia todo. Às vezes, ela cria uma música para contar o que fez na escola naquele dia."

Gilberto Gil já repostou um vídeo de Heleninha cantando. Ela escreveu uma carta para ele. "Com cinco anos, ela já sabia ler e escrever muito bem. Com sete meses, falou a primeira palavra: azeite." E ela conheceu o cantor. "A gente foi a um show e conseguimos ir até o camarim tirar foto com o Gil. O que mais me marcou foi o olhar dela para ele, encantada. Ela olhava e falava: 'Eu te amo, eu te amo'. Ele já estava distraído com outros fãs e ela continuava a dizer 'eu te amo, eu te amo'."

Os pais não queriam que a filha estivesse nas redes, mas mudaram de ideia 

Monique conta que não queria permitir que a filha aparecesse nas redes sociais. "Eu e o pai dela tínhamos aversão a internet. Não postava fotos e vídeos dela cantando, nada, só mandava para os familiares e amigos. Mesmo com a insistência deles para eu publicar o material, eu dizia que nunca faria isso. Mas, um dia, minha sogra disse uma frase que me marcou: 'Nunca' é tempo demais." E Helena insistia muito para ter um perfil na internet. "Ela me perguntava: mãe, como eu posso entrar no celular das pessoas?"

Mas teve um momento decisivo para que os pais decidissem criar o Instagram de Heleninha. "Meu irmão ficou entre a vida e a morte. Foi uma fase de muito sofrimento para nós. Ele ficou meses internado. Quando ele saiu dessa, vivo e bem, eu pensei: chega de ter medo! Ela quer cantar na internet? Então ela vai cantar na internet. Eu tento protegê-la ao máximo, mas o medo acabou", conta Monique.

Monique é veterinária, mas parou de trabalhar para ficar com a filha. "Eu sempre me dediquei ao extremo no trabalho e em tudo o que eu faço. Quando decidi ser mãe, resolvi que também me dedicaria ao extremo a educar uma criança. Foi difícil, mas não me arrependo." E dá trabalho cuidar da filha e do Instagram de Heleninha. "Enquanto eu tô lá, 'relax', dormindo, minha mãe está respondendo meu público e mexendo bolo", conta a menina. A mãe complementa: "A inteligência dela não é só para decorar letras, se comunicar bem e cantar. Ela também é inteligente para teimar comigo. Helena tem personalidade forte."

O pai, Rodrigo Bougleux, é médico. "Quando eu crescer, quero ser médica e cantora, mas não pediatra. Quero ser oftalmologista ou cardiologista [como o pai]... Eu posso ser até o Pato Donald se eu quiser!", diz Heleninha, erguendo os braços empolgadíssima com as possibilidades. 

Nem as crianças estão livres dos haters

A mãe de Helena quer que as pessoas entendam que, apesar dos muitos seguidores e alguns trabalhos remunerados, ela está apenas brincando e só fará isso enquanto quiser.  "A Helena não trabalha. Ela não vive disso e não precisa disso para viver, graças a Deus." O pai abriu uma poupança onde coloca o dinheirinho que ela já ganhou.

Monique lembra de uma vez em que uma mulher disse: "Coitadinha dessa criança, ela deve ficar decorando essas músicas o dia inteiro". "Isso não existe! É tudo natural. Ela vai ouvindo as músicas e aprendendo. Eu não deixo ela cantar tudo o que ela quer, há um filtro, mas ela só canta o que gosta."

No início era pior. Agora, os comentários negativos são mais raros. "Diziam que ela cantava fora do tom. Imagine… Ela é uma criança, não uma cantora profissional. Ela não está com uma agenda de shows marcada. Ela só está se divertindo", explica Monique. "Aquilo me assustou no começo, mas a gente recebe muito mais amor do que ódio. E uma coisa está bem clara: ela só vai cantar enquanto ela tiver vontade. Eu não quero que ela seja cantora, eu quero que ela seja feliz."