'Ele foi imprudente e não escutou minha filha', diz mãe de jovem morta em acidente sobre o motorista

Os cinco jovens que ocupavam o carro que se chocou contra uma árvore na Avenida Infante Dom Henrique na manhã de sábado, dia 19, eram todos amigos e estavam voltando de uma festa na Pedra do Sal, no Centro do Rio. Mãe de Mylena Teixeira de Azevedo, a única vítima fatal, Liliane Teixeira diz que o motorista, Luiz Guilherme Bragança estava alcoolizado, e o culpa pela morte da filha.

— Quando terminou a festa, às 5h da manhã, minha filha, que estava sóbria, disse que ou ela voltaria dirigindo o carro, que era do Guilherme, ou ela chamaria um carro de aplicativo. Ela acabou chamando um Uber, mas o Guilherme não quis deixá-la voltar em outro carro e a fez cancelar. No caminho de volta, ele começou a correr muito e andar em zigue-zague. Ela, que estava no banco ao lado e muito nervosa, pedia para ele parar. Em certo momento, ela bateu com a cabeça na cabeça dele, que perdeu o controle e colidiu com a árvore. Esse relato foi dado pela Letícia, que só teve alguns ferimentos — conta Liliane.

Segunda ela, Mylena estava de cinto de segurança. Um dos jovens que estavam no banco de trás, no entanto, teria sido arremessado sobre Mylena, o que a mãe acredita ter contribuído para o desfecho.

— Gostaria de expressar minha indignação com o Guilherme. Ele foi irresponsável, imprudente e não escutou minha filha. Para mim, isso é um crime, e eu quero justiça. Quero que ele responda por homicídio — afirma.

Todos eram formados em Direito e se conheceram num estágio que faziam no Fórum da Barra da Tijuca.

— Mylena era uma menina muito responsável, tanto que ela se formou aos 23 anos e passou na prova da OAB de primeiro. Sempre foi muito estudiosa.Tinha muito carinho e zelo pela mãe e pelo pai. Era uma super filha. Estava comigo em todos os momentos. Adorava fazer programas em família. Seu maior sonho era ser juíza — descreve Liliane. — Simplesmente, o Guilherme enterrou os sonhos da minha filha. Não quero que nenhuma mãe passe pelo que estou passando.

O sepultamento de Mylena será neste domingo, dia 20, às 14h, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap.

Às 5h42 de sábado, dia 19, o Corpo de Bombeiros foi acionado para uma colisão na Avenida Infante Dom Henrique, no Aterro do Flamengo. Além de Mylena, de 23 anos, estavam no veículo Letícia D’Arc Nunes de Moura, de 26; Marcelo Blochisvitz Silva Catole, de 25, ambos socorridos ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro; Luiz Guilherme Bragança (o motorista), de 24, e Nicollas do Carmo Rodrigues, de 22, levados para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea.

Na tarde de sábado, a direção do Hospital Municipal Souza Aguiar informou que a paciente Letícia encontrava-se estável e que Marcelo já havia recebido alta hospitalar. Já o Hospital Municipal Miguel Couto disse que Luiz Guilherme e Nicollas estão em situação estável.

A ocorrência foi encaminhada para 9ª DP (Catete). A Polícia Civil afirmou que agentes realizam diligências para esclarecer as circunstâncias do acidente. E não confirmou ainda se o motorista estava alcoolizado.