'Ele pediu ajuda', conta esposa de homem negro espancado até a morte em Porto Alegre

O Globo
·2 minuto de leitura
Reprodução
Reprodução

SAO PAULO — Segundo a esposa de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, o homem negro espancado até a morte em um supermercado da rede Carrefour, em Porto Alegre, a vítima chegou a pedir ajuda antes de morrer, mas continuou sendo imobilizado pelos seguranças.

Em entrevista à "Rádio Gaúcha", a cuidadora de idosos Milena Borges Alves, de 40 anos, afirmou que ele não fez nenhum gesto agressivo para a funcionária do mercado.

Milena contou que estava pagando as compras e, quando chegou ao estacionamento, seu marido já estava imobilizado e pedindo ajuda.

"Eu estava pagando no caixa. Ele desceu na minha frente. Quando cheguei, ele já estava imobilizado. Ele pediu ajuda, quando fui, os seguranças me empurraram", afirmou Milena à rádio.

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de que ele morreu vítima de uma parada cardíaca em razão da dificuldade para respirar após ser imobilizado.

"Ninguém me disse nada depois que ele estava desmaiado", afirmou Milena à Rádio Gaúcha.

A agressão aconteceu em um mercado da rede Carrefour na Zona Norte de Porto Alegre. Amigos de Beto, como ele era conhecido, se mostraram surpresos após a notícia de sua morte.

— O Beto era companheiro nosso de arquibancada, ali de São José, cara firme, cara gente boa, durão, coração mole. Ainda que a gente conheça o tratamento do pessoal no mercado, como a gente é acostumado em dia de jogo, é uma notícia que pegou todo mundo de surpresa — afirmou Márcio Nobre Cardoso, auxiliar administrativo de 29 anos.

Imagens fortes:

Beto foi homenageado pela torcida organizada do São José, clube da Zona Norte de Porto Alegre, e pelo qual ele torcida. Um protesto foi marcado para esta tarde em frente ao mercado.

Vídeos que circulam em redes sociais mostram ele sendo agarrado pelas costas por um segurança e agredido por outro com diversos socos na cabeça. Os seguranças estão presos e vão responder por homícidio por asfixia por dolo eventual. Um deles é policial militar temporário e estava fora do horário de serviço.