Eleição francesa: Ironia e trocas de acusações marcam o único debate entre Macron e Le Pen

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Emmanuel Macron e Marine Le Pen, que concorrem no segundo turno da eleição presidencial francesa, participaram de um debate na noite desta quarta-feira (20). Relações com a Rússia e proibição do uso do véu islâmico, mas também a compra de frango brasileiro, foram alguns dos temas que mostraram as divergências dos candidatos no confronto, o único entre os dois presidenciáveis.

Durante mais de duas horas e meia, os eleitores da França viveram um repeteco da corrida presidencial de 2017, quando Macron e Le Pen, que também disputavam o segundo turno do pleito, se enfrentaram em um debate. Até o figurino era praticamente o mesmo, com ambos vestindo ternos azul marinho.

No entanto, o encontro desta quarta-feira foi menos violento que o embate de 2017. Na eleição passada, Macron e Le Pen trocaram farpas durante praticamente todo o debate e o centrista venceu Le Pen pelo cansaço. Desta vez, a líder da extrema direita se concentrou no balanço do chefe de Estado, apontando que o apresentava como "injustiças" de seu mandato.

Mesmo assim, o debate foi marcado por tensão, ironias e trocas de acusações. Marine Le Pen se mostrou combativa durante todo o encontro. A tal ponto que começou a responder a primeira pergunta antes mesmo que seu microfone fosse acionado.

Os dois candidatos expuseram seus pontos de vista sobre diferentes temas. Eles discursaram sobre reforma da aposentadoria, segurança, imigração, investimento na saúde, indústria e educação, mas também sobre relações internacionais e meio ambiente.


Leia mais

Leia também:
Eleição francesa: no plano ambiental, Macron e Le Pen deixam a desejar
França: 48% acreditam que fraude é possível na eleição presidencial
Com Macron ou Le Pen presidente, relações entre França e Brasil devem continuar frias

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos