Eleições no Benim sem candidatos da oposição

Rua de Cotonú com murais eleitorais, em 16 de abril de 2019

O Benim elege, neste domingo (28), seus 83 deputados, em uma votação onde apenas dois partidos próximos ao poder puderam apresentar candidatos, e onde distúrbios e uma forte abstenção são esperados.

As assembleias de voto abriram às 07H00 (03H00 de Brasília), mas a participação tem sido baixa.

"A população não sai, mas é por causa dos cultos religiosos de domingo", justificou Jacques Noutais, representante da Comissão Eleitoral, em Ze, cerca de 30 km de Cotonou, a capital.

Os principais partidos da oposição pediram o boicote, já que não puderam apresentar candidatos por razões administrativas.

No final de 2018, o Parlamento aprovou um novo código eleitoral para simplificar o panorama político e impedir a proliferação de partidos (mais de 250 num país de 12 milhões de habitantes).

No entanto, nem mesmo as principais formações da oposição conseguiram cumprir as condições exigidas pela Comissão Eleitoral.

No sábado houve brigas no final da tarde e grupos de manifestantes bloquearam várias estradas.

Desde a meia-noite, todas as redes sociais foram suspensas.

Cinco milhões de beninense são registrados nas listas eleitorais e podem escolher entre o Bloco Republicano e a União Progressista, dois movimentos próximos ao presidente Patrice Talon, acusado de ter boicotado todos os seus adversários políticos desde que chegou ao poder em abril de 2016.

O Benim foi considerado um exemplo de democracia na África Ocidental e é a primeira vez desde que a democracia foi introduzida em 1991 que a oposição não tem representação nas eleições.