Eleições de 2022 acontecerão e quem atentar contra democracia será visto como inimigo, diz Pacheco

·3 minuto de leitura
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) -O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta sexta-feira que o Parlamento repudia qualquer especulação sobre a não realização do pleito de 2022 e grantiu a realização da eleição, alertando que qualquer um que atente contra os princípios da democracia será encarado como inimigo da nação.

Pacheco fez um pronunciamento após o presidente Jair Bolsonaro voltar a lançar dúvidas nesta sexta sobre a realização das eleições em 2022 e atacar o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

Bolsonaro, que defende a adoção de um modelo com voto impresso pela urna eletrônica, chegou a sugerir, sem apresentar provas, que haverá fraude nas próximas eleições e que pode não aceitar o resultado e se recusar a entregar a faixa presidencial a seu sucessor caso considere que a disputa não tenha sido limpa.

"As eleições acontecerão porque isso é um comando constitucional. Há uma imposição de eleições periódicas, de sufrágio universal, de voto direto e secreto. E nós não podemos tirar do povo brasileiro o seu direito mais sagrado e mais soberano, que é o direito de escolher os seus representantes. É simples assim", disse o presidente do Congresso.

"Todo aquele que pretender algum retrocesso ao Estado Democrático de Direito esteja certo que será apontado pelo povo brasileiro e pela história como inimigo da nação e como alguém privado de algo muito importante para os brasileiros e para o Brasil, que é o patriotismo", afirmou Pacheco.

O senador declarou que não são admissíveis atos, menções ou falas atentatórios à democracia ou que pretendam qualquer retrocesso às conquistas democráticas no país. Questionado sobre quem se configuraria como "inimigo da nação", o parlamentar afirmou que não se referia a ninguém especificamente.

Pacheco aproveitou, em sua fala sobre os princípios democráticos, para defender a independência entre os Poderes, o que inclui o respeito às prerrogativas da atividade parlamentar e o tratamento adequado entre as autoridades públicas.

Sobre esse ponto específico, o presidente disse não concordar com o "método" adotado por Bolsonaro de ataques ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. Bolsonaro acusou o presidente do TSE nesta semana de interferir no Congresso e de agir contra o voto impresso motivado por interesses pessoais.

"Definitivamente não concordo com esse formato, não concordo com esse método, tampouco concordo em ataques pessoais a autoridades públicas ou a qualquer cidadão. Eu considero que a divergência de ideias deve ser discutida no campo das ideias, da tese. E não das pessoas. Portanto eu me solidarizo com o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e discordo de qualquer ataque pejorativo que seja feito a ele ou a qualquer cidadão brasileiro nesse tom", disse Pacheco.

O senador lembrou que caberá ao Congresso Nacional, ouvidos todos os "personagens da República", discutir e decidir se modifica a Constituição para incluir no sistema eleitoral o voto impresso pela urna eletrônica, definição que terá de ser respeitada por todos os Poderes e instituições do país, pontuou.

Pacheco disse ainda confiar na Justiça Eleitoral brasileira. O parlamentar disse não acredita que tenha havido fraude em eleições passadas ou que elas ocorrerão no próximo pleito, como sugere Bolsonaro.

(Reportagem de Maria Carolina MarcelloEdição de Pedro Fonseca)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos