Eleições: "Somos um só povo e a política não pode nos separar", diz representante do agronegócio brasileiro

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou uma nota, nesta terça-feira, em que afirma aceitar com naturalidade o resultado das eleições presidenciais realizadas no último domingo. Representante do agronegócio brasileiro, a entidade informou estar pronta para dialogar com o governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“A CNA sempre acreditou que a liberdade e a democracia são os fatores essenciais para o desenvolvimento da produção rural. Fiel a esta crença, recebe com naturalidade o resultado das eleições presidenciais e está pronta para o diálogo e a cooperação com o governo eleito, escolhido pela maioria do povo brasileiro”, diz um trecho do comunicado.

“Na busca do crescimento da economia e da justiça social, somos um só povo e a política não pode nos separar”.

Grande parte do agronegócio brasileiro apoiava o presidente Jair Bolsonaro (PL), que disputava com Lula a Presidência. Agora, defende a pacificação nacional e o diálogo sobre as pautas do setor.

Segundo a nota, para que a produção rural possa garantir o abastecimento de alimentos para o mercado interno e as exportações, é preciso segurança jurídica ao produtor , “defendendo-o das invasões de terra, da taxação confiscatória ou desestabilizadora ou dos excessos da regulação estatal”.

Também fazem parte da pauta de reivindicações a ampliação dos destinos das exportações brasileiras e medidas para proteger a produção nacional das barreiras comerciais disfarçadas de preocupações com a saúde e o meio ambiente. A entidade pede, ainda, uma gestão fiscal equilibrada, para que a economia possa crescer com estabilidade.