Eleição: Debate não deve ter influência nos votos, projeta presidente do Ipespe

Cientista político avalia que debate na Globo nesta sexta-feira não deve mudar resultado da eleição no domingo (Foto: Paulo Lopes/Anadolu Agency via Getty Images)
Cientista político avalia que debate na Globo nesta sexta-feira não deve mudar resultado da eleição no domingo (Foto: Paulo Lopes/Anadolu Agency via Getty Images)

O debate da noite desta sexta-feira (28) na TV Globo pouco deve influenciar nos resultados eleitorais do próximo domingo (30), no segundo turno da eleição. Essa é a análise de Antonio Lavareda, cientista político e presidente do Conselho Científico do Ipespe.

“Tem debate, vai ter alguma influência e não sabemos o desfecho, mas não acredito, pela história da influência dos debates, que ele venha a ser decisivo. A última vez que um debate influenciou foi em 2006. O Lula não compareceu e isso o prejudicou. Segundo analistas, isso foi responsável por levá-lo ao segundo turno”, declarou em entrevista ao portal Uol.

Para Lavareda, o cenário de uma vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está consolidado. Ele avalia que uma virada de Jair Bolsonaro (PL) é “praticamente impossível”.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

“É muito difícil, praticamente impossível, haver inversão na última semana de uma eleição de 2º turno. Pesquisas assinalaram um avanço, uma recuperação da margem do Lula sobre Bolsonaro. Na média das pesquisas a diferença de Lula é de 5,8 [pontos percentuais]. Essa diferença era menor, 5,2, na semana passada. Arredondando, isso significa um ponto.”

Abstenção e contagem dos votos

Sobre a possível abstenção, Lavareda entende que o número de eleitores que não irão votar deve aumentar cerca de 1% - mas isso já está sendo considerado pelas pesquisas.

“Esse fato, junto com a realidade de não ter voto útil, contribui para que pesquisas se aproximem bastante, quando não coincidam, com o resultado no 2º turno”, explicou.

A projeção do cientista político sobre a contagem de votos é que Bolsonaro começará na frente e, ao longo do tempo, a vantagem diminua, até a virada de Lula.

“Se tivéssemos o mesmo padrão do 1º turno, teríamos uma dianteira de Bolsonaro expressiva no início, superior a 20 pontos válidos, com isso diminuindo ao longo do tempo. Em uma hora e meia, menos de duas horas, Lula empataria e eventualmente ultrapassaria conforme dados da pesquisa. Mas em 2018 isso foi diferente. Primeiro já chegaram 60% das urnas apuradas. Com um percentual desse, já teremos votos do Nordeste, e a distância não vai estar tão grande.”