"Eleição não se ganha, se toma": fala de Barroso circula fora de contexto no WhatsApp

Ministro do STF e ex-presidente do TSE Luís Roberto Barroso em evento em Brasília, em 22 de novembro de 2021 (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)
Ministro do STF e ex-presidente do TSE Luís Roberto Barroso em evento em Brasília, em 22 de novembro de 2021 (Foto: AFP via Getty Images / Evaristo Sa)
  • Frase do ministro do STF Luís Roberto Barroso voltou a circular no WhatsApp fora de contexto

  • Segundo usuários, o ministro teria dito que "eleição não se ganha, se toma"

  • A frase, no entanto, foi modificada e retirada do seu contexto original, em que o ministro estava se referindo a uma fala que ouviu do senador Mecias de Jesus.

Voltou a circular no WhatsApp uma frase dita pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso e ex-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Segundo usuários, o ministro teria dito que "eleição não se ganha, se toma". Embora, Barroso tenha dito algo semelhante a isso, a declaração foi modificada e circula fora de seu contexto original.

Na ocasião em que fez essa declaração, Barroso se referia a uma história contada pelo senador Mecias de Jesus anteriormente. No vídeo original do momento dessa fala, é possível ouvir o ministro afirmando: "Eu brinquei com ele que eleição em Roraima não se ganha, se toma".

Captura de tela de uma publicação que circula no WhatsApp com a alegação de que o ministro Barroso teria dito que
Captura de tela de uma publicação que circula no WhatsApp com a alegação de que o ministro Barroso teria dito que "eleição não se ganha, se toma" (Foto: WhatsApp / Reprodução)

Uma busca no Monitor de WhatsApp pelas imagens mais compartilhadas entre os dias 7 e 8 de agosto identificou a publicação mencionada. O Monitor é um sistema do projeto Eleições sem Fake, criado por um grupo de pesquisa da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), com o objetivo de trazer mais transparência e combater a desinformação nas eleições brasileiras.

José Dirceu

A frase dita por José Dirceu e mencionada no conteúdo viral, de que "vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar a eleição", de fato, foi proferida pelo petista em uma entrevista ao El País em setembro de 2018. Quando questionado sobre a possibilidade de o PT "ganhar essas eleições e não levar", ele afirmou o seguinte:

"Acho improvável que o Brasil caminhará para um desastre total. Na comunidade internacional isso não vai ser aceito. E dentro do país é uma questão de tempo pra gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição".

Questionado pelo El País após a repercussão negativa da resposta, ele afirmou por um lado que "tiraram do contexto completamente" sua declaração, mas afirmou que "foi infeliz" com a fala e que não quis dar a entender que ganhar a eleição e o poder fossem coisas diferentes.

Além disso, ele assegurou que jamais defenderia que o PT tomasse o poder ao invés de ganhar as eleições. Ainda segundo Dirceu, ele "estava respondendo no caso de golpe de Estado. No caso de golpe de Estado não tem mais eleição".

Ministro Barroso

A frase do ministro Luís Roberto Barroso, contudo, foi retirada de contexto.

Em uma nota de esclarecimento publicada em 11 de agosto de 2021, o TSE explicou que Barroso apenas estava reproduzindo uma fala do senador por Roraima Mecias de Jesus.

Durante uma visita ao TSE em 8 de junho de 2021, o senador Mecias contou ao ministro Barroso que ainda quando se utilizava o voto em cédula, ganhou duas vezes as eleições em seu estado, mas que "as eleições lhe foram tomadas". Ele concluiu afirmando que com a adoção do sistema eletrônico, não foi mais possível fraudar a votação, de modo que conseguiu vencer a disputa pelo posto.

No dia seguinte, o ministro Barroso reproduziu a história durante uma visita à Câmara de Deputados para debater sobre a reforma eleitoral e a adoção do voto.

Após um parlamentar afirmar que esteve na reunião do dia anterior, o ministro Barroso se referiu à história contada pelo Senador Mecias. "Eu brinquei com ele que eleição em Roraima não se ganha, se toma", disse o ministro. A fala pode ser conferida em uma transmissão da TV Câmara no YouTube.

Após a declaração do ministro ter repercutido fora de contexto, Mecias se pronunciou no Plenário, em 11 de agosto do ano passado. Ele explicou a situação e acusou os disseminadores do vídeo de terem o tirado de contexto e de estarem espalhando fake news.