Eleições 2022: Bolsonaro afirma que reformas não devem avançar neste ano

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Jair Bolsonaro
    38.º presidente do Brasil
O presidente Jair Bolsonaro (Foto: AFP / NELSON ALMEIDA)
O presidente Jair Bolsonaro (Foto: AFP / NELSON ALMEIDA)
  • Bolsonaro afirmou que as reformas que tramitam no Congresso não deverão ser aprovadas

  • Em entrevista, o presidente apontou o ano eleitoral como justificativa

  • Reformas como a administrativa e tributária estão no Congresso

Ao comentar sobre algumas reformas, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que as propostas que tramitam no Congresso não deverão ser aprovadas em função das eleições deste ano.

"A gente gostaria que a reforma administrativa avançasse, por exemplo, mas eu tenho sete mandatos de deputado federal e nesses anos onde existem as eleições para presidente, para senadores, para deputados também são anos difíceis, não tem negociação", afirmou o presidente em entrevista à rádio Jovem Pan.

A reforma administrativa, por exemplo, que altera regras para os futuros servidores públicos chegou a ser aprovada na comissão especial que discutiu o tema na Câmara, mas não foi encaminhada ao plenário.

"É ano eleitoral, pouquíssima coisa anda. A gente espera que o que esteja no parlamento no momento, já tenha aprovado em uma das duas casas, prossiga. Novas propostas eu acho muito difícil", avaliou ao falar sobre o pleito de 2022.

Além da reforma administrativa, a tributária também está no Congresso, porém, sem previsão de quando será levada ao plenário das duas Casas.

Ontem, o presidente já havia concedido uma entrevista mais cedo também para a Jovem Pan e falou em "trabalho orquestrado" para desgastá-lo ao citar as medidas de restrição adotadas em diversas regiões do país em função da pandemia de covid-19.

Bolsonaro foi contra ações como o lockdown e que acabaram sendo implementadas em Estados e municípios depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu autonomia aos gestores para definirem as políticas a serem adotadas de enfrentamento ao coronavírus.

"Foi um trabalho orquestrado também para tentar, pela economia, me desgastar", destacou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos