Eleições: Na reta final, rejeição do governo Bolsonaro cresce, mostra FSB/BTG

Jair Bolsonaro vê rejeição do governo aumentas a uma semana do primeiro turno (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)
Jair Bolsonaro vê rejeição do governo aumentas a uma semana do primeiro turno (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)

Na reta final da corrida eleitoral, a rejeição do presidente Jair Bolsonaro (PL) aumentou. É o que mostra a nova pesquisa FSB/BTG, divulgada nesta segunda-feira (26).

Entre os eleitores, 46% afirmam que o governo Bolsonaro é ruim ou péssimo. Nos levantamentos anteriores, de 12 e 19 de setembro, a rejeição era menor, de 44% e 43%, respectivamente.

O percentual de eleitores que consideram a gestão ótima ou boa era de 34% nos últimos levantamentos e, agora, está em 33%. Já o que entendem que o governo de Jair Bolsonaro é regular eram 21% e, agora, são 19%.

As maiores rejeições do governo são das mulheres (50%), jovens entre 16 e 24 anos (49%), pessoas que vivem no Nordeste (56%), pessoas que ganham até um salário mínimo (54%) e entre 1 e 2 salários mínimos (55%). Entre os católicos, o índice chega a 52%.

Tanto entre os que têm até o ensino fundamental quanto os que tem ensino superior, a rejeição é de 50%.

A aprovação de Bolsonaro alcança os maiores patamares entre homens (37%), pessoas de 25 a 40 anos (39%), pessoas que vivem na região Sul (51%) e eleitores que ganham mais de 5 salários mínimos (50%). Entre os evangélicos, 50% consideram o governo Bolsonaro ótimo ou bom.

Foram ouvidos 2 mil eleitores por meio de entrevistas telefônicas entre os dias 23 e 25 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O registro no Tribunal Superior Eleitoral é BR-08123/2022.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: