Eleito, Lula vai descansar na praia pela qual Brasil foi encontrado por Cabral

Lula vai governar o Brasil entre 2023 e 2026 (AP Photo/Eraldo Peres)
Lula vai governar o Brasil entre 2023 e 2026 (AP Photo/Eraldo Peres)

Passada a corrida eleitoral, o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) escolheu uma praia no sul da Bahia para descansar por três dias, ao lado da esposa, a socióloga Rosângela Silva, a Janja, como é mais conhecida. O lugar fica em Caraíva, no município de Porto Seguro (BA). Foi por lá que, em 1500, Pedro Álvares Cabral desembarcou na “descoberta” do Brasil.

O local é famoso por receber celebridades, como a ex-modelo Gisele Bundchen, que veio em 2021, com o então marido, o jogador de futebol americano Tom Brady.

Lula e Janja se hospedarão numa casa de veraneio do deputado federal Ronaldo Carletto (PP-BA). A família do político é proprietária da Expresso Brasileiro Transportes, empresa de turismo. As informações são do site Poder360.

Neste ano, Carletto optou por não tentar renovar o mandato e disputou como 1º suplente de Cacá Leão (PP), que perdeu a disputa para o Senado. Contudo, o sobrinho de Carletto, Orlando de Almeida Neto, vai representar a família no Congresso, ocupando uma vaga como deputado federal.

Ronaldo Carletto é próximo do senador Jacques Wagner (PT-BA) e do governador Rui Costa (PT). Na campanha de 2018, Costa alugou um ônibus da Expresso Brasileiro para campanha. Neste ano, a empresa venceu uma licitação para operar na manutenção de 20 ônibus elétricos em Salvador.

As eleições terminaram no último dia 30 de outubro, com Lula vencendo o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) em segundo turno. A disputa já é considerada umas das mais acirradas da história, com diferença de pouco mais de 2 milhões de votos entre os dois candidatos. O petista obteve 50,9% dos votos válidos (60.345.999), ante 49,1% (58.206.354) do atual presidente.

Os dois bateram recordes de votação, tendo Lula obtido o maior número de sufrágios já obtidos por um candidato desde a redemocratização.

O recorde anterior foi em 2006, quando o petista venceu o tucano Geraldo Alckmin com 58,3 milhões de votos, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).