Eleitor de Ciro é contra armas e se importa mais com economia ao votar, mostra Datafolha

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 22.02.2022 - O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 22.02.2022 - O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Os eleitores que pretendem escolher o pré-candidato Ciro Gomes (PDT) no pleito de outubro são majoritariamente contra o armamento da população e se importam muito com a situação econômica do país na hora de decidir o voto para presidente.

Eles têm um alto índice de confiança nas urnas eletrônicas, mas ainda assim metade acha que as Forças Armadas devem participar da contagem. Também declaram índices mais altos de vacinação contra a Covid-19 com dose de reforço e acham que a pandemia está em parte controlada.

No geral, os apoiadores do pedetista têm opiniões sobre economia, armas, pandemia e urnas eletrônicas que orbitam entre os simpatizantes de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de Jair Bolsonaro (PL), mas se aproximam mais das opiniões do eleitorado à esquerda.

Veja abaixo o que pensam as pessoas que veem Ciro como primeira opção sobre esses quatro temas e entenda seu perfil, em geral mais branco, mais escolarizado e com renda mais elevada, se destacando entre os funcionários públicos e os desempregados que não buscam emprego.

Os assuntos foram questionados na última pesquisa Datafolha, feita com 2.556 pessoas acima de 16 anos em 181 cidades de todo o país na última quarta (25) e quinta-feira (26). O levantamento foi contratado pela Folha de S.Paulo e está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-05166/2022.

A margem de erro total é de dois pontos percentuais, para mais ou menos. É importante ponderar, porém, que ela aumenta quando se considera apenas os que votarão em cada candidato. Dentro dessa amostra, são 1.234 a favor de Lula, 693 a favor de Bolsonaro e 179 a favor de Ciro, que portanto tem uma margem maior.

 1. ECONOMIA

Os eleitores de Ciro em geral estão descontentes com a economia: 77% avaliam que nos últimos meses piorou a situação do país e 56%, a sua própria situação. Os números são bem superiores aos dos apoiadores de Bolsonaro (27% e 16%), mas inferiores aos de Lula (84% e 70%).

A diferença é que quase nove em cada dez de seus simpatizantes afirmam que essa questão tem muita ou um pouco de influência em seu voto para presidente. Essa parcela cai para cerca de oito em cada dez no caso de seus rivais.

Os adeptos de Ciro também recebem menos o Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família (só 12% relatam ser beneficiários), e a maioria não acha isso importante para decidir o voto.

2. ARMAS

Nesse ponto os apoiadores do pedetista se aproximam mais dos de Lula --83% discordam que "a sociedade brasileira seria mais segura se as pessoas andassem armadas para se proteger da violência" e 85%, de que é "é preciso facilitar o acesso de pessoas às armas".

3. PANDEMIA

Ciro atrai brasileiros que dizem ter índices de vacinação acima da média. A parcela de seus eleitores que afirma ter se imunizado é de 98%, igual aos adeptos de Lula, mas eles relatam uma porcentagem maior de doses de reforço (66%, contra 58% do petista).

Eles têm opiniões mais moderadas sobre a pandemia. A grande maioria acredita que ela está parcialmente controlada (84%), enquanto entre os eleitores de Lula e Bolsonaro essa posição se dilui mais para "fora de controle" e "totalmente controlada", respectivamente.

O mesmo acontece quando perguntados sobre o medo da doença: 42%, a maior parcela entre seus simpatizantes, respondeu ter "um pouco de medo". A maioria, porém, se opõe ao desempenho do atual presidente nesse quesito, com 61% que avaliam seu trabalho como ruim ou péssimo.

4. URNAS ELETRÔNICAS

A pesquisa aponta que 85% dos que pretendem votar em Ciro confiam um pouco ou muito nas urnas eletrônicas --contra 58% entre quem tende a escolher Bolsonaro. Por isso, a maioria deles (55%) não acredita na chance de haver fraude nas eleições, como diz o atual presidente.

Apesar disso, 61% dos adeptos do pedetista acham que os ataques de Bolsonaro ao Judiciário e suas ameaças às eleições devem ser levados a sério pelas instituições do país e cerca de metade (47%) concorda total ou parcialmente que as Forças Armadas devem participar da contagem dos votos.

5. PERFIL

O eleitor de Ciro é mais escolarizado --5% dos que concluíram o ensino superior o citaram como primeira opção espontaneamente, contra 2% do total-- e mais branco (3%). Ele também atrai os funcionários públicos (6% desse grupo diz preferi-lo).

A faixa de renda mais expressiva no seu caso é a que ganha de cinco a dez salários mínimos mensais (4%), enquanto Lula fica com as parcelas mais pobres e Bolsonaro, com as mais ricas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos