Eleitora pede 'oi' para a mãe, Bolsonaro se irrita e encerra conversa com apoiadores

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
  • Presidente Jair Bolsonaro se irrita com apoiadores ao tentar explicar conversa gravada com Kajuru

  • Eleitora pede 'oi' para a mãe e Bolsonaro encerra conversa

  • Kajuru disse que Bolsonaro não recebeu presidente da Pfizer em agosto de 2020

O presidente Jair Bolsonaro se irritou com apoiadores, na manhã de terça-feira (13), ao tentar conversar sobre a conversa gravada dele com o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO).

No chamado “cercadinho” do Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo tentou contar sua versão sobre a declaração feita por Kajuru de que Bolsonaro “teria dado um chá de cadeira” e não teria recebido o presidente da Pfizer em agosto de 2020 para firmar contratos de importação de vacinas contra a covid-19.

Leia também

"Só aproveitar um pouquinho o momento aqui. Eu sou acusado de quase tudo. Inclusive, ontem, aconteceu uma coisa muito bacana. Posso falar? O senador Kajuru falou que eu dei um chá de cadeira de 10 horas no presidente da Pfizer e falou que um ex-ministro ia...", disse o presidente, antes de deixar o local e seguir para o Palácio do Planalto.

O presidente perdeu a paciência quando uma mulher, que estava em chamada de vídeo com a mãe, interrompeu Bolsonaro para que ele a cumprimentasse.

O presidente também se mostrou incomodado pelas críticas que vem recebendo pela situação da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

"O pessoal vem reclamando que acabou emprego. Quem fechou o comércio não fui eu, quem te obrigou a ficar em casa não fui eu. E eu faço a minha parte. Impressionante. O pessoal, em vez de dar força para mim, critica. Não sou ditador do Brasil", se queixou Bolsonaro.

Um apoiador pediu ao presidente que ele interviesse em estados e municípios para evitar a adoção de medidas restritivas, como fechamento do comércio e toque de recolher, por conta da pandemia.

Mas Bolsonaro disse que não pode fazer nada e reclamou novamente.

"Quem deu poderes para estados e municípios fazer o que estão fazendo, inclusive, ignorando a Constituição? Quem foi que deu esse poder? Quando indicavam ministro do Supremo, ninguém falava nada. Quando indicavam autoridades para tudo quanto era lugar, ninguém falava nada. Agora, cobram tudo de mim".