Eletrobras: 80% dos funcionários entram em greve por tempo indeterminado

·1 min de leitura
Eletrobras disse que
Eletrobras disse que "não houve descontinuidade dos serviços prestados"

(REUTERS/Pilar Olivares)

  • Funcionários da Eletrobras, Furnas e Cepel entram em greve

  • Estima-se que cerca de 7 a 8 mil trabalhadores estejam envolvidos

  • Protesto foi motivado pelas mudanças no plano de saúde e privatização da companhia

Os funcionários da Eletrobras e das subsidiárias Furnas e Cepel (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica) entraram em greve nesta segunda-feira (17) por tempo indeterminado. Cerca de 80% dos trabalhadores aderiram à medida, o que representa de 7 a 8 mil pessoas.

Leia também:

O motivo, segundo a Associação dos Empregados da Eletrobras (Aeel), tem a ver com as mudanças no plano de saúde oferecido pela empresa, que incluiriam cobranças abusivas e estariam sendo feitas de forma unilateral, sem negociação com os sindicatos.

Além disso, o processo de privatização da Eletrobras – com previsão de ser finalizado em abril – também tem desagradado, uma vez que os funcionários acreditam que ocorrerão mais demissões do que as que aconteceram em cinco anos.

Em nota, a Eletrobras disse que ainda está apurando os quantitativos de adesão à greve, já que envolve a holding, Furnas e Cepel e parte dos funcionários está em esquema de home office devido à pandemia. No entanto, garantiu que “não houve descontinuidade dos serviços prestados pela companhia”, conforme divulgado pelo Poder360.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos