Eletrobras lança Plano de Demissão Voluntária para 2.312 empregados nesta terça-feira

A Eletrobras lança nesta terça-feira seu novo Plano de Demissão Voluntária (PDV), com 2.312 empregados elegíveis. Segundo a empresa, o programa de incentivo ao desligamento — o primeiro realizado desde a capitalização da companhia, em junho — terá custo de R$ 1 bilhão.

Governo Lula: Os nomes cotados para a Petrobras e o BNDES

Prioridades econômicas: Lula quer 'PEC da reconstrução nacional' para Auxílio a R$ 600, reajuste real do mínimo e isenção do IR para quem ganha até R$ 5 mil

O plano será simultaneamente implantado na holding e nas empresas Eletrobras CGT Eletrosul, Chesf, Eletronorte e Furnas. O objetivo é atrair funcionários já aposentados ou que estejam em vias de se aposentar até 30 de abril de 2023, considerando os critérios do INSS.

Entre os benefícios oferecidos estão pecúnias equivalentes a três anos de plano de saúde e um ano de auxílio-alimentação, assim como incentivo de nove salários, além dos valores referentes à demissão sem justa causa.

Coluna Capital: Com eleição de Lula, fundo nórdico com € 237 bi sob gestão sinaliza tirar restrições ao Brasil

O período de adesão dos trabalhadores vai até o dia 18 de novembro. As demissões serão feitas de forma escalonada, entre dezembro de 2022 e abril de 2023. Desligamentos excecionais poderão ocorrer após esse prazo, a critério da Eletrobras.

De acordo com a empresa, a abertura de PDV consta da proposta firmada no Tribunal Superior do Trabalho (TST) para o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2022/2024. O último Plano de Demissão Voluntária da companhia foi lançado em 2019.