Eletronorte avalia vender fatia em linhão e comprar parte da Eletrobras em Belo Monte

Luciano Costa
·1 minuto de leitura
Visão do Rio Xingu, onde está situada a hidrelétrica de Belo Monte

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletronorte, da estatal Eletrobras, tem avaliado a possibilidade de vender sua participação na Norte Brasil Transmissora de Energia (NBTE), proprietária do enorme linhão de transmissão que leva ao Sudeste a energia das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, no rio Madeira, em Rondônia.

A companhia abriu licitação para a contratação de uma assessoria que deverá apoiá-la na decisão sobre a eventual venda do ativo, de acordo com informações no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

A licitação também envolverá apoio a avaliações sobre eventual aquisição, pela Eletronorte, das ações detidas pela Eletrobras na Norte Energia, grupo que reúne os sócios da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Os serviços de assessoria a serem contratados pela empresa deverão envolver "due diligence" e avaliação do valor dos ativos (valuation), segundo edital.

Procurada, a Eletronorte não respondeu de imediato a pedidos de comentário sobre a licitação.

A Eletronorte possui 49% da transmissora NBTE, que tem como principal acionista a Evoltz Participações, empresa criada pela norte-americana TPG Capital em 2018 para reunir ativos de transmissão comprados da espanhola Abengoa no Brasil.

Na Norte Energia, dona de Belo Monte, a Eletronorte possui 19,98%, enquanto sua controladora, a Eletrobras, detém 15%. A Chesf, que também é subsidiária do grupo estatal de energia, tem 15%.

A hidrelétrica de Belo Monte é uma das maiores do mundo, com 11,2 mil megawatts em capacidade instalada, e demandou investimentos de mais de 35 bilhões de reais.

Já a NBTE opera linhas de transmissão em corrente contínua de alta tensão com 2.375 quilômetros em extensão entre Porto Velho (RO) e Araraquara (SP), parte do chamado Sistema de Transmissão do Madeira.