Elogiado por Bolsonaro, prefeito de Chapecó adotou 'lockdown parcial' para conter crise

Julia Lindner e Daniel Gullino
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA — Ao retomar a agenda de viagens pelo país, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que vai visitar esta semana a cidade de Chapecó (SC) e elogiou a atuação do prefeito João Rodrigues (PSD) por fazer um "trabalho excepcional" no combate à Covid-19. Ontem, em entrevista, Rodrigues disse que o lockdown parcial, criticado por Bolsonaro, contribuiu para amenizar a crise sanitária. Segundo o prefeito, a medida restritiva deve ser adotada em conjunto com a testagem rápida e orientações médicas para o tratamento mais adequado.

"Tudo contribuiu, desde o lockdown parcial, teste rápido, medicação rápida. Porque senão, como em 30 dias, nós nos olho do furacão, viramos o jogo em 30 dias. Foi a maior virada do Brasil. Porque depois de constatada a gravidade, se agravou muito a questão dos leitos de UTI, mas a velocidade com que parou o contágio esvaziou as enfermarias. Estão sobrando leitos à vontade, porque isso foi feito. Essa ação em conjunto é o que nos leva ao sucesso de momento", disse Rodrigues na entrevista ao NSC Total.

Em fevereiro, diante do colapso no sistema de saúde, Chapecó decretou o fechamento do comércio, bares e restaurantes. Também foi determinado o "toque de recolher", que chegou a ser questionado por Bolsonaro em outros estados no Supremo Tribunal Federal (STF).

"Chapecó, não é atitude minha, acho que é conjunto de todos nós, é um padrão que o país poderia seguir. É um pacote completo, e ele passa por testagem rápida, medicar rapidamente as pessoas com orientação médica. Não é o prefeito que define receita, é o médico que tem que dizer o que a pessoa tem que tomar, se é uma aspirina, se é um… Não importa. É o médico que tem a ciência para isso, mas tem que tratar rapidamente, testagem rápida", afirmou o prefeito de Chapecó em outro trecho.

Em fevereiro, ao conversar com um apoiador de Chapecó, no Palácio da Alvorada, Bolsonaro perguntou se a cidade havia melhorado. O homem respondeu que o prefeito havia determinado um "lockdown", e o presidente questionou a medida:

— Lockdown não resolve... Para que lockdown?

Bolsonaro, contudo, defendeu João Rodrigues em seguida, disse que os dois atuaram juntos como deputados federais na Câmara e que ele é "um bom prefeito".

Na manhã desta segunda, Bolsonaro publicou em suas redes sociais um vídeo de João Rodrigues sobre a pandemia, filmado no domingo. Nele, Rodrigues comemora o fato da cidade ter passado, em 60 dias, "dos piores resultados do Brasil aos melhores números". O prefeito cita uma série de medidas, como a abertura de leitos e a testagem em massa, além da liberdade para os médicos fazerem o "tratamento precoce". Não citou, contudo, as medidas de fechamento de comércio adotadas, que costumam ser criticadas por Bolsonaro.

Depois, durante cerimônia de entrega de residências populares no Distrito Federal, Bolsonaro disse que viajará nesta semana para Chapecó (SC) e que Rodrigues é um "exemplo a ser seguido".

— Rodrigues é um exemplo a ser seguido, por isso estou indo para lá. Para exatamente não só ver, mas mostrar a todo o Brasil que o vírus é grave, mas seus efeitos têm como ser combatidos. Mais ainda, naquele município, em alguns estados também, o médico tem a liberdade total para trabalhar com o paciente, total. Esse é dever do médico, uma obrigação e direito dele — declarou o presidente.

Dados do governo de Santa Catarina mostram que o Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, ainda está com taxa de ocupação elevada, de 97% (dos 131 leitos, 128 estão ocupados). A prefeitura comemora, no entanto, que conseguiu zerar o número de pacientes atendidos no Centro Avançado de Atendimento Covid-19 da cidade.

A região Oeste, onde fica Chapecó, é considerada no estado "gravíssimo" pela Secretaria estadual de Saúde em duas categorias: capacidade de atenção (ocupação de leitos) e monitoramento (percentual de testes positivos). Em outras duas categorias a região está no risco "grave": ocorrência de óbitos e transmissibilidade.