Elon Musk dá positivo... e negativo em testes rápidos de coronavírus

·2 minuto de leitura
O chefe da Tesla, Elon Musk
O chefe da Tesla, Elon Musk

O polêmico chefe da Tesla, Elon Musk, anunciou na quinta-feira (12) que fez quatro testes antigênicos para saber se contraiu o coronavírus, mas dois deram positivo, e os outros, dois negativo, o que levanta dúvidas sobre a eficácia desses testes rápidos.

"Algo extremamente falso está acontecendo", tuitou.

"Fiz quatro testes de covid hoje. Dois testes foram negativos, dois, positivos. Mesma máquina, mesmo teste, mesma enfermeira", acrescentou, destacando que foram testes rápidos de antígenos.

Este tipo de teste tem a vantagem de não precisar da análise de um laboratório e oferecer um resultado em cerca de 15 minutos.

Mas os testes de antígenos são menos precisos que os de diagnóstico chamados RT-PCR: os primeiros identificam proteínas do vírus, enquanto os segundos detectam seu material genético.

Em sua conta do Twitter, Musk explicou que sentiu os sintomas comuns de um resfriado, tosse, leve mucosidade, pouca febre. O chefe da Tesla contou também que planeja fazer um teste RT-PCR em outro laboratório, cujos resultados devem sair em "cerca de 24 horas".

Um internauta lhe perguntou se essa confusão poderia explicar o pico de casos de covid-19 nos Estados Unidos, e Musk respondeu: "Se está acontecendo comigo, deve acontecer também com outros".

Famoso por suas declarações controversas, o empresário se arriscou na metade de março com um tuíte que afirmava: "Com base nas tendências atuais (teremos) provavelmente cerca de zero casos novos nos Estados Unidos de agora até o final de abril".

Desde então, pronunciou-se em várias ocasiões contra as medidas destinadas a limitar a pandemia, chegando a chamar de "fascista" o confinamento imposto ao fechamento temporário de sua fábrica na Califórnia.

- Ausência no lançamento

Sua companhia espacial, a SpaceX, deve enviar quatro astronautas, neste sábado (14), partindo da Flórida, para a Estação Espacial internacional.

Musk esteve presente na sala de controle durante o primeiro lançamento de dois astronautas feito pela SpaceX em maio.

Nesta sexta, porém, o administrador da Nasa, Jim Bridenstine, destacou que o protocolo sanitário impede a presença no centro espacial Kennedy de qualquer pessoa que tenha testado positivo para covid-19.

"Nossa política estipula que esta pessoa deve entrar em quarentena, ou se isolar. Acreditamos que este será o caso e esperamos que a SpaceX rastreie os casos de contato de forma apropriada", afirmou Bridenstine, em entrevista coletiva.

Os astronautas estão em quarentena desde 31 de outubro.

O responsável pela Nasa não quis antecipar se existe o risco de adiar o lançamento, caso de identifiquem possíveis contatos.

jum/lo/cjc/rs/yow/aa/tt