Elon Musk enfrenta julgamento por tuíte sobre Tesla. Entenda o caso

CEO da Tesla, o bilionário Elon Musk enfrentará a partir desta terça-feira um julgamento em São Francisco, cuja seleção do júri se inicia hoje. Musk foi acusado por investidores da Tesla de escrever um tuíte fraudulento, e os acionistas da empresa pedem bilhões de dólares em indenização por suas perdas depois que a proposta nunca se materializou. Entenda a batalha judicial:

Entenda: Elon Musk se torna a primeira pessoa na História a perder US$ 200 bilhões

Crise da Americanas: Bancos devem iniciar batalha judicial para liberar cobrança de dívidas

Segundo o Wall Street Journal, o juiz distrital dos EUA, Edward Chen, que supervisiona o julgamento do júri em San Francisco - programado para ocorrer até 1º de fevereiro -, decidiu que os tuítes de Musk sobre fechar o capital da empresa não eram verdadeiros e que ele agiu de forma imprudente ao fazê-los.

Afirmação fraudulenta

A ação coletiva em nome dos investidores ocorreu por conta de um tuíte publicado em 7 de agosto de 2018, no qual o executivo-chefe da Tesla disse: “Estou pensando em tornar a Tesla privada por US$ 420. Financiamento garantido”, disse Musk. O executivo disse que estava de fato considerando tornar a Tesla privada e acreditava ter o apoio do fundo soberano da Arábia Saudita para fazê-lo.

Mas a compra nunca se concretizou e agora Musk terá que explicar suas ações sob juramento no tribunal federal.

Saudade dos anos 2000? Geração Z resgata câmeras antigas em nova trend do TikTok

Na ocasião, Glen Littleton e outros investidores processaram a Tesla, Musk e os membros do conselho da alegando que os tuítes de Musk eram falsos e custavam bilhões aos investidores. Isso porque o preço das ações da Tesla disparou após a publicação do tuíte, mas afundou depois que a oferta falhou. Eles acusam Musk e a empresa de estimular oscilações nos preços das ações, opções e títulos da Tesla.

Musk deve depor na quarta-feira

O julgamento já começa com um revés para Musk. O bilionário queria que o julgamento fosse transferido de São Francisco para o Texas. Ele alegava que os juristas da região o avaliariam de forma tendenciosa em função de recentes demissões no Twitter, rede social comprada recentemente pelo magnata, e pela "negatividade local".

Estratégia: Twitter avalia vender nomes de usuários para aumentar receita

Segundo o WSJ, Musk deve prestar depoimento na quarta-feira. Na lista de possíveis testemunhas estão o presidente do conselho da Tesla, Robyn Denholm, os membros do conselho Ira Ehrenpreis, James Murdoch e Kimbal Musk - o irmão do CEO. O chefe de relações com investidores, Martin Viecha, também pode ser chamado.

Período turbulento

O julgamento ocorre em um período turbulento para o bilionário. Desde que comprou o Twitter por US$ 44 bilhões em outubro do ano passado, Musk tem lutado para recuperar a plataforma. Já sua empresa de foguetes, a SpaceX, se prepara para realizar o primeiro lançamento orbital de um foguete que fará viagens ao redor da Lua.

Volta por cima? Após inferno astral em 2022, gigantes de tecnologia têm desafio de cortar custos e lançar novos produtos

Enquanto isso, a Tesla busca tentativas de alavancar as vendas em meio à demanda fraca. A empresa reduziu os preços em toda a sua linha de veículos, com alguns dos cortes chegando a 20% nos EUA. Desde seu pico em novembro de 2021, as ações da empresa caíram cerca de 70%. Nesse período, a fortuna de Musk caiu mais de US$ 200 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.